Câmaras querem saber que verbas terão para Saúde e Educação

Autarquias referem que processo está a avançar e querem que lei especifique dotações para manutenção e equipamento de edifícios. Associação de Municípios pede esclarecimentos ao Governo sobre diplomas sectoriais.

Manuel Machado, presidente da ANMP
Foto
Manuel Machado, presidente da ANMP Daniel Rocha

No já longo processo de descentralização de competências da administração central para as autarquias, há avanços nas áreas da saúde e educação, mas há também questões por esclarecer. A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) quer, por exemplo, que as leis sectoriais especifiquem as dotações orçamentais relativas à manutenção de edifícios e ao seu equipamento. 

“As contas relativas e essas componentes são motivo da nossa preocupação”, explicava aos jornalistas o presidente da associação, Manuel Machado, nesta terça-feira, no final da reunião do conselho directivo da ANMP. “Apesar dos avanços e melhorias alcançados [no processo], ainda subsistem necessidades de esclarecimentos e de melhoria”. Esse pedido será endereçado ao Governo de António Costa. 

O autarca socialista refere que as preocupações dos municípios estão relacionadas com as dotações previstas para apetrechar escolas, bem como com a conservação e manutenção dos edifícios escolares”. Machado quer saber de que verba dispõem as câmaras para equipar laboratórios escolares ou comprar material informático, exemplifica. 

O processo de descentralização prevê que várias competências, que a maioria dos municípios tinha, até agora, na área da educação apenas em relação ao primeiro ciclo, se estendam a todos os níveis da escolaridade obrigatória. 

Já na área da saúde, o presidente da ANMP vê como positiva a criação dos conselhos municipais de saúde, que terão como função fazer a ponte com o Serviço Nacional de Saúde, o que já considera um avanço. No entanto, também neste sector é preciso clarificar “valores atribuídos anualmente para a manutenção de imóveis e para o designado apoio logístico”. Ao nível dos equipamentos, Machado explica que “há componentes de tal maneira tecnológicas que tem de ser o ministério da saúde a providenciar”. 

Durante a reunião foram também analisadas "as mais recentes versões dos decretos-lei sectoriais" referentes às áreas da Cultura e do Património, em relação às quais "subsistem dúvidas", que os municípios também esperam "ver esclarecidas rapidamente".

A ordem de trabalhos da reunião do conselho directivo incluía ainda discussão dos diplomas sectoriais sobre património e cultura. Por cima da mesa passou também a questão da reprogramação dos fundos comunitários, sendo que, na próxima sexta-feira, a ANMP volta a reunir-se com o Governo sobre a reformulação do quadro de financiamento comunitário Portugal 2020.