Ana Penha e Costa criou a +351 a pensar na internacionalização

Marca de roupa tem quatro anos, dois espaços em áreas nobres de Lisboa e pode ser comprada em algumas lojas espalhadas pelo mundo.

Ana Penha e Costa é a empresária e designer da +351
Fotogaleria
Ana Penha e Costa é a empresária e designer da +351 DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

Ana Penha e Costa começou por estudar pintura, mas era "muito preguiçosa", reconhece. Talvez por não ter de preparar pincéis e telas, o que menos gostava de fazer, decidiu estudar moda. Foi fazendo as suas escolhas académicas e profissionais sempre com o mar na equação. Não pode estar muito longe dele, confessa, foi surfista de competição. É também o mar que a inspira para desenhar t-shirts, sweatshirts, fatos de banho a pensar mais no público masculino do que no feminino. E também mais nos estrangeiros do que nos portugueses, acrescenta. Em quatro anos já abriu duas lojas em espaços nobres de Lisboa.

O nome da marca surgiu quando Ana Penha e Costa estava sentada numa reunião na Osklen, no Rio de Janeiro, onde trabalhou ao mesmo tempo que terminava o mestrado na Pontifícia Universidade Católica (PUC) naquela cidade. A Osklen era uma marca que a jovem, com então 24 anos, já admirava, mas que nunca tinha aceitado receber estagiários na área criativa. Na altura, Ana Penha e Costa foi entrevistada pela directora criativa que a pôs a trabalhar na área do luxo. "Tentei aprender um bocadinho de tudo. Entretanto, as minhas amigas do mestrado já tinham marcas próprias e eram um sucesso [no Brasil] e eu pensei voltar para Portugal, onde a indústria têxtil é forte e [acreditei] que também seria fácil criar a minha marca", conta, de pé na sua loja do Chiado, que abriu em Julho passado.

Assim que aterrou em Lisboa, foi registar a marca "+351" o indicativo telefónico de Portugal. Assim se chama a marca que começou por vender online – e onde quer continuar a fazê-lo, sublinha. Um dia, o antigo electricista da família ia fechar a loja que tinha na Calçada do Combro e Ana Penha e Costa agarrou a oportunidade de abrir ali a sua primeira loja, que hoje funciona mais como um armazém para a loja do Chiado – outra oportunidade que surgiu por intermédio da família. O espaço que ocupa na Rua da Anchieta era o Antiquário do Chiado. "Os meus pais eram amigos do senhor que queria fechar e não pensei duas vezes. Este é um sítio premium que sempre adorei, por onde passa muita gente", diz.

Ainda na sua primeira loja, a empresária começou a perceber que vendia melhor as peças masculinas. "Comecei a desenhar mais para homem do que para senhora. É mais fácil para mim desenhar com mais detalhe e também para a fábrica" que manufactura as peças, justifica. No entanto, existe o tamanha XS, a pensar nas mulheres. “As peças-chave são as sweatshirts em felpa do avesso e as t-shirts atoalhadas, mas a nossa aposta reside nas malhas jersey e na utilização de outros materiais como linho e sarjas, típicos desta estação”, informa.

É uma marca de surf? "É inspirada nos oceanos mas é mais premium, o surf não era o posicionamento que queríamos", responde Ana Penha e Costa. As peças têm linhas simples e são feitas dos "melhores materiais e texturas", insiste. Uma t-shirt custa, no mínimo, 45 euros. A empresária reconhece que é um preço acessível para os turistas. Aliás, a +351 – depois de ir às feiras internacionais – já pode ser comprada em "lojas boas" em Espanha, França, Reino Unido, Escócia, Itália, Áustria, México e EUA, enumera. O desafio é abrir mais uma loja em Lisboa e outra no Porto em nome próprio, além de continuar a estar presente em "lojas seleccionadas", sem esquecer o online, onde vende em plataformas internacionais, antecipa a empresária que desenha duas colecções por ano.