Alunos das escolas da Portela entregam petição no Parlamento que pede obras urgentes

Alunos queixam-se de que lhes chove nas salas de aulas e no ginásio e que, por isso, não conseguem ter aulas. Os peticionários alertam ainda para a presença de amianto e falta de aquecimento, que "colocam em causa a saúde e segurança destes alunos".

Fotogaleria
Sebastiao Almeida
Fotogaleria
Sebastiao Almeida
Fotogaleria
Sebastiao Almeida
Fotogaleria
Sebastiao Almeida
Fotogaleria
Sebastiao Almeida

Alunos, pais e professores de duas escolas do concelho de Loures entregam na quinta-feira, no Parlamento, uma petição para a realização de "obras urgentes" naqueles equipamentos escolares, alertando para o "elevado estado de degradação".

Em causa está a Secundária da Portela e a Escola Básica 2,3 Gaspar Correia, ambas situadas na localidade da Portela (distrito de Lisboa) e onde estudam cerca de 1900 alunos.

Depois de várias acções de protesto contra o "estado de degradação" em que se encontram os dois equipamentos escolares, alunos, pais e professores conseguiram recolher mais de 4.500 assinaturas, que serão entregues na quinta-feira no Parlamento, segundo referiu à agência Lusa, André Julião, encarregado de educação e um dos organizadores desta acção.

"Estamos esperançados que, desta vez, as coisas se resolvam. Temos esperança que os partidos apresentem projectos de resolução no sentido de resolver esta situação, que é urgente", apontou.

Contudo, André Julião admitiu que os signatários desta petição possam "tomar medidas mais radicais no início do próximo ano lectivo, se nada for feito até lá". Entre os problemas estruturais enunciados estão infiltrações, presença de amianto e falta de aquecimento, que, segundo os signatários deste documento, "colocam em causa a saúde e segurança destes alunos".

Entretanto, em Março, o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares, disse à Lusa que a autarquia se iria "chegar à frente" e intervir no pavilhão da escola secundária, enviando depois "a factura ao Ministério da Educação".

Numa resposta escrita, enviada à Lusa, fonte do Ministério da Educação referiu que a Escola Básica Gaspar Correia "teve um investimento de cerca de 70 mil euros no ano passado, para responder às necessidades mais prementes" e que a escola Secundária da Portela "terá um investimento de cerca de 100 mil euros previsto para este ano".