FPR apresenta “queixa-crime contra incertos” e suspende final

Em comunicado, a Federação Portuguesa de Rugby reagiu nesta segunda-feira aos “graves acontecimentos” ocorridos durante a meia-final do campeonato entre Agronomia e Direito.

Agronomia e Direito defrontaram-se no passado sábado
Foto
Agronomia e Direito defrontaram-se no passado sábado Luís Cabelo

A Federação Portuguesa de Rugby (FPR) anunciou nesta segunda-feira, em comunicado, que irá “formalizar junto das autoridades policiais queixa-crime contra incertos, no sentido de se responsabilizar criminalmente os responsáveis pelas cenas absolutamente lamentáveis e degradantes que se verificaram nas bancadas do campo da Tapada da Ajuda”, em Lisboa. A tomada de posição do organismo presidido por Luís Cassiano Neves surge após os confrontos registados no passado sábado entre jogadores e adeptos de Agronomia e Direito, durante a meia-final do principal escalão do râguebi português, que terminou com a vitória dos “agrónomos”, por 15-12.

Num comunicado de três pontos, a FPR começa por revelar que irá apresentar “queixa-crime contra incertos” para “responsabilizar criminalmente os responsáveis pelas cenas absolutamente lamentáveis” ocorridas dentro do campo entre atletas e nas bancadas entre adeptos.

Para além de agir criminalmente, a FPR avança que irá “participar disciplinarmente contra todos os jogadores, treinadores e dirigentes, bem como contra os dois clubes” e, em consequência disso, decide “suspender, com efeitos imediatos e sem prazo” a final do campeonato português de râguebi, que deveria colocar frente a frente, no próximo dia 5 de Maio, Agronomia e Belenenses.

“A extrema gravidade dos acontecimentos extravasa o mero âmbito dos regulamentos e exige medidas firmes, ainda que inéditas, no sentido de proteger a nossa imagem e os nossos valores”, é ainda referido no comunicado.

O jogo entre Agronomia e Direito, que se realizou sem árbitro oficial depois de o conselho de arbitragem não ter nomeado qualquer árbitro para a partida, ficou marcado por vários confrontos entre jogadores durante todo o jogo.

Perto do final dos 80 minutos regulamentares, após mais uma cena de pugilato entre jogadores, o árbitro entendeu que não existiam condições de segurança e deu por terminado o encontro, mas a violência acabou por se alastrar também às bancadas, onde se registaram confrontos entre adeptos dos dois clubes de Lisboa.

Comunicado da Federação Portuguesa Rugby:

"A Direção da Federação Portuguesa de Rugby reuniu de urgência para analisar os graves acontecimentos ocorridos no dia 28 de abril de 2018, durante o jogo que opôs AEIS Agronomia ao Grupo Desportivo de Direito, a contar para a meia-final do Campeonato Nacional 1 (CN1), tendo decidido:

1 – Formalizar, junto das autoridades policiais, queixa-crime contra incertos, no sentido de se responsabilizar criminalmente os responsáveis pelas cenas absolutamente lamentáveis e degradantes que se verificaram nas bancadas do campo da Tapada da Ajuda;

2 - Participar disciplinarmente contra todos os jogadores, treinadores e dirigentes, bem como contra os dois clubes que tomaram parte na referida meia-final, no sentido de serem aplicadas todas as medidas disciplinares aplicáveis em função dos factos que forem dados como provados; e

3 - Suspender, com efeitos imediatos e sem prazo, o CN1, até que (i) sejam concluídas todas as diligências de natureza disciplinar iniciadas em função da participação referida em 2, e (ii) a Direção da FPR considere estarem reunidas as condições de segurança e integridade moral e organizacional para ser retomada a competição. Infelizmente, os acontecimentos de Sábado, dia 28 de Abril, são os mais graves numa série de incidentes verificados desde a primeira jornada da presente época desportiva, que incluem invasões de campo, um número recorde de castigos por agressões e ofensas, incidentes envolvendo dirigentes e público, e até uma agressão a menor que foi exemplarmente castigada. A extrema gravidade dos acontecimentos extravasa o mero âmbito dos regulamentos e exige medidas firmes, ainda que inéditas, no sentido de proteger a imagem do rugby português e os seus valores.

A Direção da FPR informa ainda que responderá, em tempo oportuno e de forma exaustiva, às diversas considerações que foram feitas sobre a modalidade em Portugal e, em particular, sobre a arbitragem, por diversos agentes desportivos.

Finalmente, a Direção gostaria de congratular-se com a forma como decorreu a segunda meia-final, disputada no Estádio do Restelo, entre CF Belenenses e GDS Cascais, e agradecer sinceramente a muito generosa contribuição de todos os que se disponibilizaram para arbitrar os diversos jogos que tiveram lugar esta semana, com particular destaque para Kane Hancy e Pedro Sarmento."