Polícias convocam vários protestos para Maio

Associações sindicais promovem vigílias, concentrações e distribuição de folhetos por causa do atraso no descongelamento das carreiras.

Foto
Já em 2014 o Sinapol entregou folhetos aos turistas como forma de protesto

A primeira quinzena de Maio vai ficar marcada por vários protestos promovidos por diferentes associações sindicais da PSP. Em causa está o prometido descongelamento de carreiras dos polícias, que continua por fazer. Se nada disto resultar é provável que a seguir seja levada a cabo uma grande acção conjunta, avisou Mário Andrade, do Sindicato dos Profissionais de Polícia, numa conferência de imprensa, nesta segunda-feira, feita em conjunto com o Sindicato Nacional da Polícia (Sinapol).

O programa das festas começa a 2 de Maio, dia em que polícias e militares iniciam uma vigília junto ao Palácio de Belém sem data para terminar. À iniciativa aderiram a Associação Sindical dos Profissionais da Polícia, Associação dos Profissionais da Guarda, a Associação Nacional de Sargentos, a Associação de Oficiais das Forças Armadas e Associação de Praças, a Associação Nacional de Sargentos da Guarda e o Sindicato Independente dos Agentes de Polícia.

A 4 de Maio o Sindicato dos Profissionais de Polícia promove por seu turno uma concentração junto à direcção nacional da PSP, também em Lisboa. Já o Sinapol irá proceder à distribuição de folhetos em pontos de passagem de turistas: dia 8 de Maio no Aeroporto de Lisboa, dia 9 no Aeroporto do Porto, 10 e 11 nos portos de Ponta Delgada e do Funchal e por fim dia 12 à porta do Altice Arena, local onde se realizará o Festival da Eurovisão.

“Você está mesmo seguro?”, questiona o folheto, que está escrito em português e em inglês, aludindo à falta de efectivos na PSP e ao facto de “milhares de profissionais terem sido impedidos de gozar folgas e férias” para policiarem aquele evento.

Pelas contas de Armando Ferreira, presidente do Sinapol, cada polícia recebeu em média menos 40 mil euros do que devia graças a ter todo a carreira congelada nos últimos 12 anos e meio.