Costa não exclui em absoluto aumentos salariais na função pública

Primeiro-ministro afirma que a Administração Pública tem visto e vai continuar a ver em 2019 os seus rendimentos aumentarem com o fim dos cortes e o descongelamento de carreiras. “Se será necessário ou se justificar outras formas, será discutido na altura própria”, diz.

António Costa no seminário dos cônsules honorários
Fotogaleria
António Costa no seminário dos cônsules honorários LUSA/MÁRIO CRUZ
Seminário decorreu na Fundação Oriente
Fotogaleria
Seminário decorreu na Fundação Oriente LUSA/MÁRIO CRUZ

O primeiro-ministro considerou esta segunda-feira extemporâneo colocar agora a questão sobre aumentos da função pública em 2019, mas não fechou completamente a porta a que possam acontecer, para além do descongelamento das carreiras.

“Ninguém pode acusar este Governo de ter tido uma atitude negativa relativamente à Administração Pública. Pelo contrário: temos tido uma preocupação de valorização permanente da AP”, afirmou o líder do executivo aos jornalistas no final da sessão de abertura do seminário dos cônsules honorários na Fundação do Oriente, em Lisboa.

Costa sublinhou que já foi eliminada a totalidade dos cortes dos vencimentos, salvo aos titulares de cargos políticos, e que está a decorrer o descongelamento das carreiras. “Desde o início da legislatura, todos os anos os funcionários públicos têm visto a aumentar os seus rendimentos, e assim será para o ano, quanto mais não seja com a prossecução do processo do descongelamento das carreiras”.

“Se será necessário ou se justificar outras formas, será discutido na altura própria, mas não vale a pena discutir já isso”, acrescentou, dizendo que, a seu tempo, o Governo “olhará para o Orçamento do Estado” para 2019, sendo “extemporâneo colocar-se em Abril de 2018” a questão de um aumento dos salários da função pública no próximo ano.