Filmes de Gabriel Abrantes e Bruszewska vencedores do Córtex 2018 em Sintra

Vencedores são exibidos, esta quarta-feira, no Cinema Ideal, em Lisboa.

<i>Os Humores Artificiais</i>, de Gabriel Abrantes
Foto
Os Humores Artificiais, de Gabriel Abrantes DR

Os filmes Os Humores Artificiais, de Gabriel Abrantes, e The  Wizard  of  U.S., de Balbina Bruszewska, foram os vencedores da 8.ª edição do Córtex 2018 - Festival de Curtas-Metragens de Sintra, anunciou a organização este domingo.

O Grande Prémio do Júri – composto por Beatriz Batarda, Cláudia Lucas Chéu e Sérgio Tréfaut – foi atribuído à produção portuguesa Os Humores Artificiais. O júri justificou a sua escolha sublinhando que se trata de "um filme que se deseja que chegue ao grande público". "Através do seu carácter provocador e humor inusitado, Os Humores Artificiais constrói uma alegoria surpreendente sobre as várias formas de comunicação entre uma indígena e um robot".

A curta-metragem Tudo o que Imagino, de Leonor Noivo, foi distinguida com uma menção honrosa, por ser "um filme generoso sobre o final da adolescência, que (...) abre portas de um universo de quem vive à margem, e que conta com um jogo de improvisação habilidoso e ágil", explica o júri.

O público também votou nos favoritos a concurso na competição nacional, tendo eleito Surpresa, um filme de animação de Paulo Patrício.

Este ano, o Córtex seleccionou 15 curtas-metragens para a competição internacional e outras tantas para a competição portuguesa, produzidas entre 2016 e 2017.

Na competição internacional, o Prémio de Melhor Curta foi atribuído ao filme de animação polaco The Wizard of U.S., realizado por Balbina Bruszewska. Trata-se de "um filme arrojado e profundamente livre de diferentes dispositivos de animação, baseado em elementos documentais transpostos para o universo ficcional de O Feiticeiro de Oz e da Disney. Como resultado, temos um raro objecto de fusão de géneros cinematográficos, com uma forte ironia e crítica social de uma enorme humanidade", explicou o júri composto por Ana David, João Ferreira e Margarida Leitão.

Esta quarta-feira, 18 de Abril, os filmes vencedores desta edição vão ser exibidos no Cinema Ideal, em Lisboa. No dia seguinte, o festival faz uma retrospectiva do trabalho do realizador austríaco Ulrich Seidl, com a exibição da longa-metragem Safari (2016), um documentário que conta a história de um grupo de turistas alemães e austríacos que viajam até África para se dedicarem à caça de animais selvagens.

A retrospectiva organizada pelo Córtex sobre Ulrich Seidl mostrará o período inicial da carreira do cineasta, "dando a conhecer pela primeira vez os seus filmes de escola e as produções que realizou para televisão nos anos 90", lê-se na programação.

Na sua oitava edição, o Córtex teve mais dias de programação no Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra, e pela primeira vez estendeu-se a Lisboa, com a exibição de filmes no Cinema Ideal.

Outra das novidades, este ano, é a secção Frontal, com uma programação de curtas-metragens destinada a "unir jovens adolescentes e seniores. (...) Esta é uma iniciativa inédita nunca antes pensada para um festival de cinema em Portugal", afirma a organização.

O Córtex é uma iniciativa da Reflexo - Associação Cultural e Teatral, com apoio da Câmara Municipal de Sintra.