A Lua em 4K, com crateras e marcas da presença humana em ultra-alta definição

As imagens recolhidas pela sonda espacial LRO foram agora compiladas e partilhadas em 4K num vídeo comentado pela NASA, que permitem explorar a superfície lunar em grande detalhe.

Algumas das crateras lunares são analisadas em detalhe no vídeo
Foto
Algumas das crateras lunares são analisadas em detalhe no vídeo NASA

Um vídeo partilhado pela NASA no início desta semana tornou possível dar um saltinho à Lua, sem sair da Terra, e explorar as suas crateras e vastas planícies, assim como o rasto deixado pelos astronautas que pisaram o solo lunar. As imagens recolhidas pela câmara instalada na sonda espacial Lunar Reconaissance Orbiter (LRO), em órbita desde 2009, foram agora divulgadas em ultra-alta definição 4K. Com maior resolução (3840x2160p), estas imagens têm uma qualidade quatro vezes superior ao Full HD e permitem uma melhor visualização dos detalhes.

A certa altura do vídeo de quase cinco minutos, as imagens mostram a zona de aterragem da missão espacial Apollo 17, de 1972 (no vale lunar de Taurus-Littrow que, como é referido no vídeo, é mais profundo que o Grand Canyon), o último voo tripulado rumo à Lua. A imagem é aproximada a escassos metros do local de aterragem, tornando-se visível o módulo de aterragem Lander da Apollo 17 e o carrinho lunar Rover — que foram deixados na Lua — e ainda as marcas deixadas pelos humanos em solo lunar.

O vídeo começa por evidenciar a curiosa topografia do Mare Orientale, uma bacia de impacto de grande dimensão — na Lua, os Mares correspondem a vastas planícies basálticas formadas por antigas erupções vulcânicas e pelo impacto de meteoritos. A fraca atmosfera na Lua faz com que haja uma erosão muito ténue, daí que todas as marcas deixadas ao longo do tempo — seja por meteoritos ou pelos 12 humanos que já pisaram a Lua — continuem bem visíveis.

Ao longo do vídeo, são apresentados alguns dados interessantes, como os relativos às temperaturas extremas registadas no nosso satélite: nas zonas do Pólo Sul lunar em que o Sol mal toca, podem chegar a -245ºC, uma das temperaturas mais baixas registadas no sistema solar.

Por volta dos dois minutos do vídeo, a imagem é aproximada a uma escala de 200 metros na cratera Tycho, que tem cerca de 100 milhões de anos. No centro da cratera, é visível uma grande rocha, cuja origem é ainda incerta. Ainda que pareça pequena, a rocha tem o tamanho de um campo de basebol (291 metros quadrados). 

PÚBLICO -
Foto
A diferença entre as primeiras imagens e as do vídeo agora partilhado em 4K NASA

Nas imagens, vê-se ainda o quão profunda é a cratera Shackleton e o quão ampla é a Bacia do Pólo Sul-Aitken, no lado oculto da Lua.

Algumas destas imagens já tinham sido partilhadas anteriormente, mas este vídeo conjuga-as numa visita guiada ao satélite natural da Terra, acrescentando novas explicações ao que se vai vendo no ecrã, em ultra-alta definição — nem todos os dispositivos terão capacidade para proporcionar uma boa visualização, note-se. Ao contrário do que acontecia com o primeiro vídeo partilhado em 2011, as imagens agora divulgadas mostram uma faceta mais detalhada da Lua.

Quando foi lançada, a sonda espacial Lunar Reconaissance Orbiter tinha como objectivo passar um único ano em missão, mas já vai no nono ano a registar dados sobre o nosso satélite natural: desde a temperatura até à geologia, passando pela topografia e os níveis de radiação solar.