Torne-se perito

Países à procura de provas do ataque químico antes de retaliar — inspectores a caminho

França diz que houve ataque mas só agirá após verificação; EUA acreditam que foram usados químicos mas admitem que só têm indícios. Suécia faz proposta para acabar com impasse no Conselho de Segurança.

Foto
Mais de 3000 pessoas escolheram deixar Douma, que já é esta quinta-feira totalmente controlada pelo regime AREF TAMMAWI/EPA

Como provar um ataque químico? Há relatos e vídeos de socorristas, e nesta quinta-feira, foi anunciado que, quando passar exactamente uma semana sobre o ataque — sábado — peritos vão finalmente começar a sua investigação no local.

De França, o Presidente Emmanuel Macron disse que havia provas de que, na semana passada, o regime de Bashar al-Assad levou a cabo um ataque com armas químicas, usando “pelo menos cloro” — mas acrescentou, cautelosamente, que a França só retaliaria depois de feitas “todas as verificações”. “É preciso tirar ao regime os meios de preparação [das armas]”, disse.

Nos EUA, o secretário da Defesa, Jim Mattis, afirmou “acreditar” que houve um ataque químico e que há todas as indicações disso em gravações, mas que os EUA “ainda procuram provas”. Pouco depois, a estação de televisão NBC citava peritos dizendo que encontraram vestígios de cloro e um gás de nervos no sangue e urina das vítimas do ataque.

A Rússia veio novamente, numa conferência de imprensa da porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros Maria Zakharova, negar que tenha havido um ataque deste género, dizendo que as tropas russas entraram em Douma e não encontraram quaisquer provas.

Mattis acrescentou que a equipa da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) não estava sequer no terreno (já houve vezes em que, por razões de segurança, as equipas conduziram investigações fora da Síria). Mas entretanto a OPAQ, organização com sede na Holanda, anunciou que começará o seu trabalho no local neste sábado.

No diário britânico The Guardian, o jornalista especialista na região Martin Chulov conta como nos cinco dias que passaram sobre o ataque, técnicos viram imagens vindas do local, gravações rádio, rotas de voo, para tentar perceber o que aconteceu. Na Jordânia, laboratórios aguardavam amostras biológicas essenciais para determinar o tipo de agente usado, quando se suspeita de uma mistura de dois, cloro e sarin.

PÚBLICO -
Aumentar

“Sangue e urina mostram vestígios [de cloro] até uma semana, talvez mais”, disse ao Guardian um responsável sob anonimato. Mas outro tipo de agentes, como o sarin, “degradam-se rapidamente — se é suposto haver uma missão ao terreno, ela tem de chegar lá imediatamente”.

Especialistas dos serviços de informação dos EUA, França e Londres estudaram as imagens e descrições, e compararam com imagens de ataques em que foi usado sarin. As semelhanças, incluindo a contracção das pupilas e espuma na boca, eram suficientes para que sugerissem que houve dois químicos usados em simultâneo, cloro e sarin, provavelmente com a ideia de um mascarar o outro, e de ter mais eficácia nas caves em que as pessoas se protegiam dos bombardeamentos frequentes.

Nos últimos meses a região de Ghouta Oriental, perto de Damasco, foi atacada pelas forças pró-regime, morrendo mais de 1600 pessoas. Mas o ataque de sábado foi decisivo, levando à rendição do grupo rebelde e permitindo ao regime controlar a zona após mais de cinco anos.

A Organização Mundial de Saúde falava em 500 pessoas potencialmente afectadas com sintomas “consistentes com a exposição a químicos tóxicos” e pediu ao regime de Assad que desse acesso aos inspectores.

Respostas vão demorar

O diário Financial Times sublinha que mesmo que as equipas cheguem a tempo, poderá levar semanas ou mais até que haja conclusões. No ano passado, após o ataque de Khan Sheikhoun, que levou a uma acção de retaliação americana simbólica (um ataque a uma base que voltou rapidamente a estar operacional), a organização demorou três meses até confirmar o uso de sarin. Na altura, os inspectores não tiveram acesso ao local e os resultados foram baseados em amostras de cadáveres, entrevistas com testemunhas e amostras do local vindas de outras fontes.

O jornal financeiro relata ainda a dificuldade de contactar pessoas em Douma, e alguns activistas sírios acusaram o regime de cortar as linhas de comunicação.

Proposta sueca

Mas mesmo que tenham acesso rapidamente, a missão destes inspectores é apenas dizer que químicos foram usados, e não atribuir responsabilidade.

Para isso seria necessário uma missão conjunta. Mas a proposta para uma missão deste género ir ao terreno foi vetada numa reunião do Conselho de Segurança da ONU pela Rússia — foi o 12.º veto de Moscovo a propostas de resoluções sobre a Síria. Na mesma sessão, a Rússia apresentou a sua própria resolução, que previa o envio de inspectores mas que o objectivo fosse apontar culpados. A proposta foi chumbada.

Mattis sublinhou este bloqueio da Rússia: “Podemos ficar sentados ou fazer qualquer coisa”, disse, acrescentando que em muitos casos de uso suspeito de armas químicas “não há provas, ainda que haja indicadores”.

A Suécia fez na quinta-feira uma proposta para sair do impasse, incluindo o envio de uma missão de desarmamento para a Síria para acabar “de vez” com as armas químicas e criar um organismo de investigação “novo, imparcial, independente e profissional” para determinar a responsabilidade do seu uso. 

De Douma, conta o New York Times, a principal preocupação dos habitantes foi decidir, após a rendição dos rebeldes, se deveriam continuar numa cidade agora controlada pelo regime ou aceitar ser deslocados para uma outra zona da Síria que a maioria nunca visitou, mas que é controlada pela oposição.

Mais de 3000 pessoas, entre combatentes e civis, fizeram a escolha de sair por temer as consequências. A saída, em 85 autocarros, completou-se ontem, dia em que o Exército russo anunciou que o regime já controla totalmente a cidade.