Entrevista

Mas como é que não há mais gente a conhecer Marta Ren?

Na Europa esgota salas e é um nome de referência da soul clássica. Aqui nem por isso. A cantora quer corrigir essa desproporção, a começar esta quinta-feira, no Lux-Frágil, com o seu primeiro concerto em nome próprio em Lisboa.

Foto
"Da minha parte, o que posso dizer é que estou a concretizar alguns sonhos, editando um disco que chegou ao mundo inteiro, ao mesmo tempo que estou a fazer imensos concertos por essa Europa fora e não só." Marta Ren DR

A vida corre bem a Marta Ren e à banda que a acompanha, The Groovelvets. Em 2016, depois de várias experiências colectivas (Sloppy Joe, Bombazines, Funkalicious), a cantora portuense lançou-se a solo com o álbum Stop Look Listen, numa edição da italiana Record Kicks, seguindo-se concertos por toda a Europa. No último ano, não teve mãos a medir. Em palco, Marta Ren e os seus Groovelvets são caso sério: soul-funk clássico, suportado por voz vivida, presença felina e sensual, metais que parecem libertar suor e uma batida milimétrica que impele à dança. São febris, mas também arrebatados, num som sujo, compacto, intemporal.

Curiosamente, o único mercado que parece resistir a Marta Ren é o português, pelo menos ao nível do grande público, que praticamente não a conhece. É verdade que, como atestam as suas inúmeras colaborações (Moullinex, Selma Uamusse, Jorge Cruz, GNR, Mão Morta, Trabalhadores do Comércio, Sam The Kid ou Dealema), esse reconhecimento existe no meio musical, mas de facto "o chamado grande público" não está familiarizado com o seu trabalho, diz-nos Marta Ren, um dia antes daquele que será o seu primeiro concerto em nome próprio em Lisboa – no Lux-Frágil, esta quinta-feira, às 23h, com o cúmplice Moullinex como convidado especial e a promessa de uma série de canções com novos arranjos.

Esta quinta-feira vai dar o seu primeiro concerto em nome próprio em Lisboa. É surpreendente que só o faça agora, dois anos depois de ter lançado o seu álbum de estreia e de inúmeros concertos pela Europa.

É verdade. É essa a realidade. Em Lisboa só fiz festivais ou a festa de passagem de ano no Terreiro do Paço. Não sei por que é que isso acontece, mas é assim. Mas posso falar dos 85 concertos que fiz lá fora no último ano… [risos]. 

Em Janeiro do ano passado deu um excelente concerto no festival Eurosonic da Holanda, na presença de imensos agentes e promotores da indústria europeia. Que impacto é que isso teve no seu percurso?

Teve muitas consequências. Posso dizer que a partir daí só parei depois da passagem de ano no Terreiro do Paço. A proporção não mente. Fiz 85 concertos na Europa e oito apenas em Portugal durante todo esse ano. E tocámos em boas salas, no mínimo para 1500-2000 pessoas, do Paradiso, em Amesterdão, à New Morning, em Paris. Estiveram sempre cheias e no fim as pessoas compravam os discos em vinil. Apanhámos com um público muito interactivo – quase não era necessário eu falar ou puxar por eles –, como é difícil de encontrar aqui. Foi tudo muito surpreendente.

PÚBLICO -
Foto
"Nos anos 90, quando comecei, foi o inglês que surgiu naturalmente. Tinha a ver com as minhas raízes" DR

Essa desproporção pode ser explicada pelo facto de não haver em Portugal uma cultura soul-funk clássica muito fortalecida?

Sim, esse tipo de cultura não está muito na moda por aqui. Mas não tenho grandes justificações. Da minha parte, o que posso dizer é que estou a concretizar alguns sonhos, editando um disco que chegou ao mundo inteiro, ao mesmo tempo que estou a fazer imensos concertos por essa Europa fora e não só. Fomos cabeças de cartaz em festivais relevantes e isso é algo que me deixa satisfeita. O último ano foi cheio de aventuras.

Nesses países, quem não vos conhece, até pela sonoridade, deve ficar admirado quando percebe que é portuguesa, ou nem por isso?

Ficam boquiabertos! E há nuances em alguns países. No ano passado fomos cabeças de cartaz num festival em França e às tantas, em conversa com a promotora, muito simpática inicialmente, fizemos-lhe ver que tínhamos de ir embora logo a seguir ao concerto, porque só tínhamos uma hora para chegar ao aeroporto. Não queríamos perder o voo. Ela disse que nos iria ajudar e perguntou se iríamos voar para Londres ou Manchester, julgando que éramos ingleses. Respondi-lhe que íamos para o Porto e ela não queria acreditar. Só repetia: mas isso é em Portugal? Mas é portuguesa?!... [risos]. Lá lhe disse que sim e ela olhou para mim, entre o irritado e o desdém, só faltando dizer: como é que contratei esta, que deve ser filha de uma mulher-a-dias ou de um operário, para cabeça de cartaz do meu festival?... [risos]. Sentimos muito isto, principalmente em França, onde invariavelmente julgavam que era americana ou inglesa. Quando percebiam que era portuguesa, alguns preconceitos surgiam.

Cantar em inglês com grande apuro pode ter contribuído para essa aceitação fora de Portugal, mas aqui pode ter tido o efeito contrário.

Não. Há muitos portugueses a cantar em inglês que são conhecidos aqui. Nos anos 90, quando comecei, foi o inglês que surgiu naturalmente. Tinha a ver com as minhas raízes. O meu pai era músico amador. O primeiro álbum que eu soube entoar foi o White Album dos Beatles. E a seguir os Led Zeppelin e o Bob Dylan. Era raro ouvir música portuguesa. As primeiras coisas que ouvi, o Zeca Afonso ou o Fausto, foi já com 24 anos, quando resolvi ir procurar o que havia de nosso por aí. Mas foi por minha iniciativa. Em casa, ou no meu grupo de amigos, nunca tive disso.

Se não é a língua, a sonoridade ou o contexto, então o que falta para ser mais conhecida por mais gente em Portugal?

Falta o presidente de um desses concursos televisivos de novos talentos, ou lá o que é, convidar-me para ser júri… [risos]. Tenho a certeza de que a minha agenda de concertos em Portugal seria mais preenchida.