Zuckerberg lembrou que as pessoas são livres de deixar o Facebook

O presidente da rede social foi questionado num tom mais agressivo na Câmara dos Representantes, mas as perguntas trouxeram poucas novidades.

Foto
Zuckerberg não deu grandes novidades no seu segundo dia em Washington Reuters/AARON P. BERNSTEIN

Os utilizadores do Facebook podem escolher sair a qualquer altura. A ideia foi frisada pelo próprio Mark Zuckerberg, durante uma longa audição no Congresso norte-americano. “A decisão é deles”, disse Zuckerberg, que não parecia convencido com a ideia avançada pelos congressistas de uma rede social em que tudo é privado à partida.

Esta quarta-feira, Zuckerberg voltou a responder a perguntas sobre o papel da rede social na democracia. Desta vez, foi ouvido pela Câmara dos Representantes do Congresso sobre a “transparência e uso dos dados dos consumidores.” Foi lá que admitiu ser um dos 87 milhões de utilizadores cujos dados foram utilizados pela Cambridge Analytica – a empresa de consultoria que criou campanhas políticas personalizadas com base em informação recolhida de perfis do Facebook. Agora “está a explorar” a possibilidade de processar aquela empresa, bem como o investigador que vendeu a informação à consultora e quer ainda investigar a própria universidade de Cambridge.

Apesar do tom mais agressivo do que na audição desta terça-feira no Senado, surgiram poucas novidades entre as muitas perguntas repetidas, alguma falta de informação (por parte de quem fazia as perguntas), e pedidos de desculpa repetidos pelo criador da rede social.

Uma das falhas apontadas por vários congressistas foi a ausência de definições que impõem “privacidade por defeito” nos conteúdos partilhados. Para Zuckerberg, porém, a escolha deve ser dos utilizadores. Repetiu que são as pessoas que controlam os dados, e que, em último caso, podem sempre apagar as contas que têm na plataforma. “A principal forma do Facebook funcionar é que as pessoas escolhem partilhar dados”, frisou Zuckerberg. “É impossível a nossa plataforma existir sem a possibilidade dos utilizadores entrarem na nossa plataforma, escolherem partilhar informação, e com quem é que a querem partilhar.”

Questionado sobre a possibilidade de a rede social ser “viciante” (e retirar por isso poder de escolha), Zuckerberg diz que o Facebook tem estudado os efeitos da tecnologia no bem-estar das pessoas e que os benefícios advêm da possibilidade de “criar conexões com outras pessoas”.

O novo Regulamento Europeu de Protecção de Dados, que entrará em vigor em Maio, foi também mencionado várias vezes pelos congressistas. “É inevitável que é preciso regulação, mas é preciso ter cuidado com o tipo de regulações que entram em vigor”, notou o executivo, chamando a atenção para pequenas empresas que utilizam o Facebook e precisam de anunciar os seus produtos e chegar aos utilizadores.

O responsável do Facebook voltou a dizer que “não vende os dados das pessoas” e a repetir promessas feitas ao longo das últimas semanas. Além disso, referiu repetidamente o investimento na inteligência artificial como importante para prevenir futuros abusos e ajudar a monitorizar conteúdo na plataforma.

Mais de três horas depois da sessão começar, Zuckerberg foi questionado sobre se concordava “que o Facebook magoa as pessoas”. O fundador evitou responder directamente preferindo dizer que é impossível monitorizar todo o conteúdo colocado na plataforma.

Sugerir correcção