Sobrevivente do Daesh veio pedir que Portugal reconheça o genocídio dos yazidis

Farida Khalaf tem um sonho: levar o Daesh a tribunal. Para isso precisa que os Estados reconheçam o genocídio dos yazidis. Foi isso que veio pedir aos deputados portugueses.

Os yazidis são uma minoria iraquiana que tem sido perseguida pela violência do Daesh
Foto
Os yazidis são uma minoria iraquiana que tem sido perseguida pela violência do Daesh Reuters/UMIT BEKTAS

Farida Khalaf é uma jovem da minoria curda yazidi que sobreviveu ao cativeiro do Daesh e conseguiu fugir para contar a história. Esteve em Portugal pela segunda vez nesta quarta-feira para falar aos deputados da Assembleia da Republica e pedir-lhes que reconheçam e condenem o genocídio dos yazidis pelo Daesh. No fim do seu discurso, a posição dos deputados portugueses era unânime: é urgente aprovar uma resolução conjunta que reconheça o genocídio desta minoria religiosa curda.

"Atacaram-me, à minha família e aldeia. Destruíram todos os sonhos que tínhamos", recordou Farida nesta quarta-feira no Parlamento, com a ajuda de um tradutor. O seu sonho agora é "ver os militantes do ISIS em tribunal" e “que seja reconhecido o genocídio” dos yazidi, cita a Lusa.

A história de Farida Khalaf não é totalmente desconhecida dos portugueses. A jovem yazidi já tinha estado em Portugal uma vez, em 2017, no Centro de Congressos do Estoril, para a contar. Com uma plateia lavada em lágrimas pelo relato de uma violência extrema, a jovem afirmou a necessidade de levar o Daesh a tribunal. Agora, em 2018, repetiu a mensagem. Mas levar o o grupo terrorista ao Tribunal Penal Internacional (TPI) só será possível se um grande número de Estados reconhecer e condenar o genocídio dos yazidis às suas mãos. Foi isso que Farida veio pedir aos deputados portugueses que a receberam e ouviram, no âmbito de duas comissões parlamentares - a dos Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias e a dos Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas. E a resposta foi unânime: é necessário reconhecer este genocídio.

“Tudo faremos para podermos consagrar ao nível da totalidade da Assembleia da República que seja aprovada uma posição para reconhecer estes crimes como crimes cometidos contra a Humanidade, como um genocídio”, disse José Cesário, deputado do PSD e coordenador da comissão de negócios estrangeiros e das comunidades portuguesas, citado pelo Expresso.

“De nós podem esperar todo o apoio. Em Portugal não fazemos política quando se trata de liberdade e de direitos humanos. Estará para muito breve uma resolução sobre o genocídio e o reconhecimento da perseguição do povo yazidi”, prometeu a deputada Vânia Dias da Silva, do CDS-PP, citada pelo mesmo jornal.

Portugal tenciona juntar-se a outros países, como o Reino Unido, França e Canadá, que reconheceram formalmente o genocídio yazidi.  Assim, fica mais próximo de se cumprir o sonho de Farida e da Organização Yazda, com a qual trabalha num programa de consciencialização dos Estados estrangeiros: pressionar o Conselho de Segurança da ONU a remeter o caso para o TPI.

De Lisboa, Farida ruma até Braga, onde vai estar no 5.º Congresso de Investigação Criminal. Depois disso, o destino é França, onde vai estar para repetir o pedido aos deputados.

Farida Khalaf não é o nome verdadeiro da jovem que discursou nesta quarta-feira no Parlamento. Usa um nome fictício por questões de segurança – não quer que os membros do Daesh que a torturaram a reconheçam. Actualmente vive na Alemanha, onde tem estatuto de refugiada. Foi uma das jovens que conseguiu escapar à violência do radicais. O pesadelo de Farida começou em 2014, quando o então denominado Estado Islâmico do Iraque e do Levante atacou a sua aldeia, Kocho, na zona de Sinjar, Iraque.

Farida pertence a uma minoria religiosa curda, os yazidis. Por serem considerados “adoradores do diabo” pelos fundamentalistas islâmicos, os yazidis são perseguidos e torturados. No ataque a Kocho, em 2014, o Daesh separou um grupo de homens e outro de mulheres – matou o primeiro e sequestrou o segundo. O pai e o irmão de Farida estavam no grupo dos que morreram. E Farida viveu, apenas para ser vendida num mercado de escravos em Raqqa, Síria, espancada e violada quando tinha apenas 17 anos.

A rapariga que derrotou o Estado Islâmico é o livro que conta a história de Farida Khalaf, editado pela Asa, em 2016. Uma história semelhante à de milhares de outras meninas e mulheres que ainda estão nas mãos do Daesh. Ao todo, foram raptados ou executados pelo grupo extremista cerca de dez mil yazidis. Estima-se que 3200 yazidis ainda estejam nas mãos do Daesh. com Lusa