Mãe suspeita de matar bebé recém-nascida

Alegado infanticídio ocorreu em Corroios, no concelho do Seixal.

Foto
Fábio Augusto

Uma mãe de 25 anos residente em Santa Marta do Pinhal, próximo de Corroios, no concelho do Seixal, é suspeita de ter matado em casa a sua bebé recém-nascida, depois de uma gravidez que escondeu de toda a gente.

A investigação do caso foi entregue à Polícia Judiciária, podendo estar em causa o crime de infanticídio ou então o de homicídio. Quando praticado logo a seguir ao parto, o infanticídio tem uma moldura penal mais leve, por a mulher poder encontrar-se num estado de imputabilidade diminuída.

Tudo se passou num prédio da Avenida Vieira da Silva, tendo a bebé sido esfaqueada pouco depois do parto ocorrido em casa. O cadáver vai agora ser submetido a autópsia, para determinar em que circunstâncias tudo sucedeu. A mulher tem ainda dois filhos gémeos.

Quando se deu o parto apenas estavam no apartamento a mãe, uma irmã desta e as duas crianças. A irmã é também considerada suspeita pelas autoridades, pelo menos até ser apurado que papel desempenhou no sucedido.

Só mais tarde, com o acto já consumado, chegou o companheiro da parturiente. Foi ele quem, juntamente com a irmã da mulher, ligou para o Instituto Nacional de Emergência Médica. Devido aos problemas provocados pelo parto caseiro a companheira precisava de cuidados médicos urgentes. Foi transportada para os serviços de obstetrícia do Hospital Garcia de Orta, local onde ainda se encontrava ontem, sob vigilância médica e policial.

O caso foi conhecido publicamente esta terça-feira, mas o parto e a morte da bebé recém-nascida ocorreu na madrugada de segunda para terça-feira.

Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal, o alerta foi dado pouco depois da meia-noite e quando os Bombeiros Voluntários da Amora chegaram ao apartamento, a criança já não apresentava sinais de vida. O óbito foi declarado no local pela equipa do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Até à chegada dos meios de socorro e das autoridades, os vizinhos não se terão apercebido de nada.

Várias pessoas ouvidas pelo PÚBLICO no local afirmaram que a gravidez da mulher não era conhecida entre os vizinhos. Um amigo que a viu poucos dias antes do parto diz que não parecia estar grávida. “A gravidez foi muito bem escondida”, disse.

O prédio onde a mulher residia com a irmã gémea e dois filhos, também gémeos - dois meninos de 20 meses - é um edifício de 11 andares exclusivamente de habitação numa rua onde há pouco comércio. Alguns vizinhos dizem que só raramente viam os gémeos com a mãe. Mas trata-se de uma zona-dormitório em que as relações de vizinhança são quase inexistentes.