“Partir a Âncora” para voltar a ligar os portugueses ao mar

À bolina do “Partir a Âncora”, João Bentes quer construir uma tradicional Canoa da Picada, na qual vai cruzar o Atlântico. Depois, espera abrir uma escola de construção naval para restaurar a relação dos portugueses com o mar. Projecto procura financiamento

João Bentes trabalhava na Alemanha desde 2014 como arquitecto quando começou a cultivar um bichinho inusitado: o interesse pela construção naval tradicional. Tanto que dois anos depois, em Janeiro de 2016, soltou amarras e partiu para os EUA com o objectivo de estudar, precisamente, construção naval na escola Apprenticeshop, no Maine. É por lá, do outro lado do Atlântico, que um novo projecto começa a ganhar forma: a ideia é Partir a Âncora ou Break The Anchor, em inglês. Para ajudar a restaurar a ligação dos portugueses com o mar. 

Trata-se de um projecto educativo, cuja primeira fase passa por construir uma Canoa da Picada, uma antiga embarcação tradicional portuguesa ligada à pesca e ao comércio. Em finais do século XIX, inícios do século XX, era usada, sobretudo, na apanha da sardinha. O nome vem daí, aliás: o peixe, depois de recolhido, era "picado", ou seja, salgado no porão do barco, que tinha cerca de 12 metros de comprimento (40 pés) e um distinto "aparelho de vela mestra latina e uma catita à popa", explica João. 

É uma embarcação "misteriosa", sobre a qual há pouca informação. "Há um período gigante de tradição de embarcações de pesca do qual existe pouca documentação", sublinha o arquitecto. E construí-la pode ajudar. É, diz, uma oportunidade para "documentar melhor a razão" pela qual os portugueses a utilizavam e clarificar a sua história — "o rumor é que não é de todo uma embarcação portuguesa", apesar de ter sido bastante usada em águas nacionais.

João, porém, não vai ficar por aqui. Depois de construí-la, quer atravessar o Atlântico juntamente com os aprendizes da sua escola. Talvez não seja o primeiro a fazê-lo: o aventureiro português, natural de Setúbal, conta que há quem diga que a embarcação já atravessou o Atlântico noutros tempos. E peritos, como o investigador Carlos Montalvão, garantem que é um barco "adequado para a travessia". Está confiante. "É uma oportunidade para testar a canoa", sublinha.

PÚBLICO -
Foto
Logótipo do Partir a Âncora

Uma escola de construção naval em Portugal?

PÚBLICO -
Foto
Desenho da Canoa da Picada Partir a Âncora

Chegados a terras portuguesas, a missão é criar uma escola de construção naval tradicional. "Iniciará com a utilização da Canoa da Picada como barco-escola", explica o jovem de 32 anos. Estão a ser pensadas aulas práticas de várias disciplinas, da construção naval à navegação, e workshops, para alunos dos dez aos 90 anos. Haverá ainda espaço para um centro de investigação, onde serão desenvolvidos workshops de arquitectura flutuante. "Para o desenvolvimento de cidades que habitam na água."

Para lançar a âncora para um futuro por cá? Antes, Partir a Âncora, nome que nasce de "uma vontade de quebrar a atitude" que existe actualmente em relação à água e à vela. João está determinado em criar "uma nova cultura", recuperando a ligação "natural" que os portugueses tinham com o oceano. "Antigamente", começa, "as pessoas atravessavam rios com embarcações a remos; agora, com a construção de pontes, andamos de carro uma hora às voltas quando poderíamos atravessar um rio com um barco em 15 minutos". O português quer transformar este pensamento, mostrando que a água tem "muito potencial de navegação e que poderia incluir aspectos urbanos como apartamentos, teatros ou cinemas flutuantes". É um projecto com um "olhar no futuro", realça. Sempre sem esquecer a construção em madeira, uma forma de preservar a tradição das embarcações portuguesas. A Canoa da Picada não vai fugir à regra: vai ser construída em madeira e, garante o ideólogo, é 100% reciclável.

Neste momento, o navegador encontra-se a angariar fundos para o próximo passo: a construção da Canoa da Picada que, espera, pode arrancar em Janeiro de 2019. Para a primeira fase desse projecto necessita de 30 mil euros; ao todo, irá precisar de 150 mil euros. Os interessados podem ajudar através de uma transferência bancária directa, Paypal ou pelo envio de um cheque para a sede do projecto. Também podem enviar um email "para decidir como gostavam de participar". Até agora, foram amealhados cerca de dez mil euros (quase doze mil dólares) em dois leilões — os licitadores disputaram uma embarcação construída pelo próprio João e algumas obras de arte que artistas do Maine doaram à iniciativa. "No decurso da construção vamos angariando mais dinheiro. É essa a estratégia que temos definida."

O jovem conta com a ajuda de dois familiares em Lisboa, também eles apaixonados pelo mar e pela aventura, que se ocupam da gestão financeira do projecto e da área educativa: a professora de filosofia Maria do Céu Oliveira e o consultor informático Eurico João Oliveira. A eles juntam-se alguns amigos de João e os 12 aprendizes actuais da escola. "Temos funcionado como uma equipa para levar o projecto mais adiante." Por mares nunca antes navegados? Quem sabe.

Artigo corrigido às 15h36 de 11 de Abril

Foram corrigidos os valores do financiamento referidos no penúltimo parágrafo