Águeda com novo sistema de alerta de inundações

Objectivo é evitar que o cenário de 2016 se repita. No Inverno desse ano, a cidade foi atingida por uma das maiores inundações da história do município, com avultados prejuízos materiais.

As inundações de 2016 causaram elevados prejuízos materiais
Foto
As inundações de 2016 causaram elevados prejuízos materiais ADRIANO MIRANDA

A cidade de Águeda vai ter um sistema de previsão e alerta de inundações, desenvolvido pela Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda (ESTGA) da Universidade de Aveiro (UA), anunciou esta segunda-feira aquela escola.

O sistema vai permitir avisar com uma antecedência de sete dias, através da internet e de alertas para dispositivos móveis, as autoridades e a população em geral para o risco de cheias na zona ribeirinha. Com capacidade de poder ser utilizado em qualquer cidade do país, o sistema vai entrar em funcionamento em Águeda a partir de finais de 2019.

"O Sistema de Previsão e Alerta de Inundações para a zona Urbana de Águeda (FFAS) dá resposta a vários desafios societais e mostra que as tecnologias da informação assumem um papel cada vez mais importante no desenvolvimento da sociedade, contribuindo para a inovação territorial e permitindo minimizar os danos resultantes dos perigos naturais", explica Luísa Pereira, especialista em Ciências Geoespaciais da ESTGA e coordenadora do novo sistema.

Com previsões a sete dias e actualizadas a cada seis horas, o FFAS utiliza modelos hidráulicos e hidrológicos, suportados em informação geográfica da área de intervenção, em registos da altura da água do Rio Águeda medida em tempo real e em previsões de precipitação.

"Quando estiver a funcionar, o sistema de alerta irá contribuir para a redução de custos como os danos físicos em edifícios e infra-estruturas, a perda de vidas humanas e de recursos ambientais, ou a perda de produção de empresas directamente afectadas pelas inundações e a inconveniência no pós-inundação", destaca a docente.

Evitar que o cenário de 2016 se repita, ano em que, no Inverno, a cidade foi atingida por uma das maiores inundações da história do município, com avultados prejuízos materiais, é um dos grandes objectivos.

O novo sistema alerta envolve uma parceria entre a ESTGA, os institutos politécnicos de Leiria e de Castelo Branco e a Câmara Municipal de Águeda.

Para além de Luísa Pereira, a equipa do FFAS é constituída pelos investigadores Fábio Marques (ESTGA), Paulo Fernandez (Instituto Politécnico de Castelo Branco), Sandra Mourato (IPL — Instituto Politécnico de Leiria), Miguel Tavares (Câmara Municipal de Águeda) e pelos bolseiros Manuel Venâncio (ESTGA), Jorge Matos (ESTGA) e João Pescada (IPL). O projecto tem ainda como colaborador Alfredo Rocha, das unidades de investigação da UA Instituto de Engenharia Electrónica e Telemática de Aveiro e Centro de Estudos do Ambiente e do Mar, e como consultor Chris Goodell, da empresa Kleinschmidt.

O FFAS é financiado pelo Programa Operacional Regional do Centro na componente FEDER.