“Só temos uma via, construir a República catalã, dentro ou fora”

Representantes de todos os partidos independentistas estiveram em Lisboa numa sessão de solidariedade com os políticos da Catalunha na cadeia.

Foto
Puigdemont, sábado em Berlim, com deputados e outros apoiantes Hannibal Hanschke/Reuters

O historiador Agustí Colomines não precisa de deixar passar mais tempo. Já sabe que "o referendo de 1 de Outubro foi a manifestação democrática mais importante na Catalunha”. Aconteça o que acontecer. “Para a nossa geração, para quem viveu o 1 de Outubro, é o equivalente ao que foi a chegada da democracia para os nossos pais e a guerra de 1936 para os nossos avós”.

Colomines também é político, deputado eleito em Dezembro na Coligação Juntos pela Catalunha (JxC), liderada a partir de Bruxelas por Carles Puigdemont, o líder destituído por Madrid depois de declarar a independência e organizar o referendo de 1 de Outubro.

Como Colomines, todos os independentistas catalães que na sexta-feira à noite passaram por Lisboa para uma sessão de solidariedade “com os presos políticos” continuam a referir-se a Puigdemont como president.

A sessão decorreu no Auditório Almeida Santos da Assembleia da República, uma sala com 200 lugares que não foram suficientes para a audiência que quis ouvir representantes dos três partidos independentistas e da Associação Nacional Catalã, a maior organização civil pró-independência.

A iniciativa, aberta pelo politólogo André Freire e encerrada pelo historiador Fernando Rosas, segue-se ao abaixo-assinado que ambos (e Manuel Loff) promoveram a exigir a liberdade dos políticos catalães, um manifesto assinado por deputados do Bloco de Esquerda, do Partido Socialista, do Partido Comunista, pelo deputado do PSD Ulisses Pereira e pelo deputado do PAN, André Silva, entre muitos outros. Na sessão de sexta-feira, os catalães tiveram na mesa a seu lado o deputado socialista Tiago Barbosa Ribeiro e a bloquista Isabel Pires.

Colomines, protagonista de uma das intervenções mais aplaudidas, quis sublinhar que “a luta da Catalunha é a luta dos direitos cívicos e políticos de todos”.

“Só temos uma via, construir a República. É isso ou a morte. Seja dentro ou fora do país”, afirmou. Para Colomines, é urgente que os deputados do parlamento autonómico consigam investir um presidente, mas diz que “esse será apenas instrumental” e “servirá para recuperar a autonomia” – referindo-se assim ao artigo 155 da Constituição, que permitiu a Madrid assumir a governação da Catalunha e que ficará em vigor até à formação de um governo.

Não é preciso Puigdemont

“Não precisamos de Carles Puigdemont na Catalunha. Se for o caso, começamos a construir a República lá fora”, disse Colomines. Em declarações ao PÚBLICO, o deputado afirmou acreditar que vai ser possível formar um novo executivo “em duas semanas”, admitindo que isso possa acontecer sem o apoio da CUP (Candidatura de Unidade Popular).

Depois de terem tentado e falhado investir Puigdemont (que não apareceu em Barcelona), Jordi Sànchez (ex-líder da ANC e “número dois” da JxC, que o juiz não deixou sair da cadeia para ir ao Parlamento), os dois grandes grupos parlamentares independentistas, JxC e ERC (Esquerda Republicana da Catalunha), viram os quatro deputados da CUP chumbar a investidura de Jordi Turull, entretanto preso.

Da prisão de Sànchez, a 16 de Outubro, falou Adrià Alsina, da ANC, que recordou que só pôde abraçá-lo e desejar-lhe “boa sorte” antes de o ver entrar na Audiência Nacional de Madrid. Sànchez, acusado de “sedição” por causa de uma manifestação a 20 de Setembro, prestara declarações de manhã; no regresso à sala do tribunal, à tarde, a juiz Carme Lamela ordenou a sua prisão preventiva sem possibilidade de fiança.

Agradecendo a “normalidade destes dias” a um representante da embaixada de Espanha que viu entre a assistência, o deputado da ERC Ferran Civit disse ter começado a semana “com membros da Generalitat no exílio” e que a terminaria sábado, na cadeia de Estremera, a visitar “o vice-presidente da Generalitat” destituído (e presidente do seu partido), Oriol Junqueras. “É esta a normalidade que me permite o Estado espanhol”, afirmou.

Mireia Cantenys, da CUP, celebrou a decisão dos juízes alemães, que não admitiram a acusação de rebelião na petição de entrega de Puigdemont emitida pela Justiça espanhola. “Esta semana, o Estado espanhol foi um pouco mais desmascarado”.