Gaia quer eléctricos a atravessar a Ponte Luiz I

A ideia é que os carros históricos atravessem o tabuleiro inferior daquela ponte, após reabilitação pela Infraestruturas de Portugal

Os eléctricos que cruzam apenas as ruas do Porto podem passar a ir até Gaia
Foto
Os eléctricos que cruzam apenas as ruas do Porto podem passar a ir até Gaia Nelson Garrido

O presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, quer que os eléctricos históricos que, neste momento, se limitam a cruzar as ruas do Porto, comecem a atravessar o tabuleiro inferior da Ponte Luiz I, servindo também a cidade na outra margem do rio Douro. O autarca falava no final da reunião do Conselho Metropolitano do Porto (CmP), entidade a que também preside, na manhã desta sexta-feira, após a aprovação de uma proposta que pretende passar oficialmente para a Autoridade Metropolitana de Transporte a gestão dos eléctricos.

A proposta, desenhada pela Câmara do Porto e aprovada por unanimidade no CmP, já apontava para a possibilidade de os eléctricos passarem a servir outros municípios, incluindo referências aos “municípios servidos (ou que o venham a ser)” e o socialista Eduardo Vítor Rodrigues acabou por desfazer as dúvidas. “Gaia vê com bons olhos a extensão ao seu território do eléctrico histórico”, disse aos jornalistas, no final da reunião. O autarca lembrou que os eléctricos já tinham servido o município a que preside, antes de o tabuleiro superior da Ponte Luiz I ser entregue ao metro, e adiantou que a intenção actual é que esse cruzamento regresse, mas utilizando o tabuleiro inferior da travessia.

A reabilitação do tabuleiro inferior da Ponte Luiz I, que está sob a alçada das Infraestruturas de Portugal, tem sido sistematicamente adiada, depois de a proposta que os municípios do Porto e Gaia preconizavam, e que previa o alargamento daquela estrutura, ter levantado muitas dúvidas à Direcção-Geral do Património Cultural. A ponte está incluída na zona classificada pela Unesco como Património da Humanidade e uma alteração da estrutura poderia ser rejeitada formalmente por aquele organismo.

Agora, Eduardo Vítor acredita que a situação mudou - “Temos a possibilidade de exigir às Infraestruturas de Portugal que avance com a obra, tendo em conta a nova realidade”, disse. A proposta, que poderá ser apresentada pelos municípios de Gaia e do Porto nos próximos dias, prevê que sejam colocados carris no tabuleiro inferior da ponte, passando os eléctricos a conviver com o tráfego rodoviário.

O líder do CmP argumentou que a aprovação da proposta da Câmara do Porto, que acontecera há poucos minutos, era “muito importante” para que o processo avance. A proposta prevê que a gestão dos carros eléctricos, que estava “pendurada”, como o próprio Eduardo Vítor Rodrigues descreveu, desde que a gestão da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto (STCP) passou para a Autoridade Metropolitana da Transportes (AMT), possa ser também assumida por esta entidade. A AMT passará assim a assumir “a plenitude das suas competências”. O documento prevê ainda que este organismo estude o novo modelo de gestão dos eléctricos, num processo que será coordenado pelo município do Porto, e que deverá passar pela criação de um operador interno específico.

A par da gestão, a proposta defende também que o património afecto ao carro eléctrico passe para “os municípios servidos (ou que o venham a ser)” por este transporte “ou para o operador interno” a definir. Nos pressupostos do documento defende-se que o eléctrico, actualmente mais vocacionado para o turismo, deve passar a ser encarado de novo como “um meio de transporte relevante para a mobilidade urbana”.