Espaço onde ocorreu explosão não estava licenciado

Autoridades dão ainda conta da apreensão de material depositado num espaço improvisado a 250 metros do local da explosão.

Fotogaleria
Sergio Azenha
Fotogaleria
LUSA/PAULO NOVAIS
Fotogaleria
Sergio Azenha
Fotogaleria
Sergio Azenha
Fotogaleria
Sergio Azenha

O espaço onde ocorreu a explosão com foguetes junto à capela de Gondelim, em Penacova, que fez um morto e 30 feridos na quarta-feira, “não estava devidamente licenciado para o efeito”. A conclusão é da PSP, que revela em comunicado as conclusões das diligências e os resultados relativos à investigação.

A mesma nota dá conta ainda de material pirotécnico por utilizar “depositado num espaço improvisado a cerca de 250 metros” do local da explosão, num anexo do cemitério de Gondelim.

Foi ainda apreendido material ao responsável da empresa pirotécnica em causa. No total, a PSP recolheu 384 artigos pirotécnicos prontos a serem usados nos festejos. O comunicado das autoridades cita 80 foguetes "2+1 Forte", 30 foguetes "5+1 Forte", 138 foguetes de carga inteira e 36 foguetes de meia carga.

As explosões ocorreram durante a missa que precedia uma procissão e o alerta foi dado às 12h31, refere o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Coimbra.

Dos 30 feridos registados, seis feridos continuam internados esta quinta-feira no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC). Destes, cinco tiveram de ser sujeitos a cirurgia. "Deram entrada no Serviço de Urgências do CHUC 30 doentes, provenientes de explosão em Gondelim, Penacova, ocorrida ontem [quarta-feira], dia 4 de Abril. Destes, 24 doentes já tiveram alta, 19 adultos e 5 crianças", lê-se numa nota de imprensa do centro hospitalar citada pela Lusa. A vítima mortal era um funcionário da empresa de pirotecnia, que estava a manusear os artigos.

A PSP apelou aos profissionais do sector que cumpram escrupulosamente a legislação aplicável e concretamente as regras de segurança definidas. 

A investigação às causas da explosão foi conduzida pelo Departamento de Armas e Explosivos da PSP e pelo Comando Distrital da PSP de Coimbra. A Polícia Judiciária continua a investigar a causa das explosões.