Crowdfunding: um sistema que traduz expressões faciais e permite interacção com o computador

O Smile-Access, criado por Andreia Matos, quer traduzir expressões faciais em cliques de rato e teclado, para permitir interacção com um computador. Desenhado para pessoas sem mobilidade, o software precisa de ser licenciado. Campanha de crowdfunding até 30 de Abril

Em Setembro de 2016 ficámos a saber que Andreia Venâncio de Matos tinha criado um software que permitia melhorar o acesso ao computador para pessoas sem mobilidade. Agora, a jovem regressa com um crowdfunding para obter uma licença e registar a marca e o modelo do produto. Com o objectivo de angariar 1600 euros, a campanha termina a 30 de Abril.

Tudo começou com Bárbara, a prima de Andreia que sofre de uma doença neuromuscular degenerativa. Sem mobilidade e possibilidade de aceder ao computador, a jovem de 16 anos nunca encontrou uma “solução [em] que se encaixasse”. Até que Andreia criou um software que reconhece e traduz expressões faciais em cliques de rato ou toque de teclas, para que o utilizador consiga interagir com o computador. A finalizar o mestrado em Engenharia de Reabilitação e Acessibilidade Humana, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Andreia escolheu optimizar a vida de Bárbara através da sua tese. E aí nasceu o que viria a ser o Smile-Access.

Criado, no caso de Bárbara, para proporcionar um acesso normal ao computador, o que Andreia veio a verificar foi que o software pode ser mesmo utilizado como uma ferramenta de comunicação. E é isto, precisamente, que gera mais feedback por parte de quem procura o software: a possibilidade de optimizar (e até criar) o diálogo de parte a parte.

PÚBLICO -
Foto
Bárbara a utilizar o Smile-Access DR

“Mas para o tornar num produto e disponibilizá-lo têm que existir licenças de programa e registos de marca e modelo de utilidade”, conta Andreia. E, no total, apenas para isto são necessários 1200 euros. Os restantes 400 aglomeram despesas de design e multimédia, deslocações para testes e demonstrações e a comissão para a plataforma onde o crowdfunding foi publicado. Caso os 1600 euros não sejam atingidos, o dinheiro será reposto.

PÚBLICO -
Foto
O Smile-Access é resultado da tese de mestrado de Andreia, que quis ajudar a prima DR

Quem quiser contribuir pode fazê-lo dos dez aos 80 euros. Quanto maior for a contribuição, maiores serão os descontos na obtenção do produto (e podes mesmo tê-lo de forma gratuita, se contribuíres com a última modalidade).

“Eu sei que isto vai acabar por ser um produto”, assegura Andreia. “Porque eu vejo pela minha prima e acho que faz muita falta. E com o número de pessoas com as quais tenho mantido contacto percebo, agora, que isso vai mesmo ajudar muita gente.” Mas as ambições da jovem não ficam por aqui e, futuramente, Andreia quer alargar este software aos dispositivos móveis. Contudo, para já, espera conseguir angariar os 1600 euros até 30 de Abril, para licenciar o produto para o computador.