Turquia lamenta que o Parlamento português tenha condenado tomada de Afrin

"É triste que o Parlamento português se deixe levar numa ferramenta de propaganda de uma organização terrorista", diz um comunicado do MNE de Ancara.

Fotogaleria
MIlícias do Exército Livre da Síria, ao entrarem em Afrin AREF TAMMAWI/EPA
Fotogaleria
Destruição de estátua curda em Afrin Khalil Ashawi/REUTERS

A Turquia lamentou este sábado o voto aprovado na quinta-feira no Parlamento português que condena a tomada por forças turcas da zona curda de Afrin, no Noroeste da Síria.

O voto "está longe da realidade e está cheio de acusações infundadas" e "não pode ser levado a sério, nem ser aceite", disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros turco, num comunicado, citado pelas agências internacionais.

O Parlamento aprovou na quinta-feira um voto do Bloco de Esquerda a condenar a intervenção militar turca no território autónomo curdo em Afrin. Ao entrarem na cidade, as milícias aliadas do exército turco, o Exército Livre da Síria, começaram logo por destruir património - o mais simbólico foi uma estátua de uma figura central nas lendas da celebração do Nawroz, o Ano Novo persa, mas houve pilhagens generalizadas.

 Seguidamente, o Presidente turco, Recep Erdogan, assegurou que a Turquia iria expandir a sua ofensiva na Síria a outras regiões curdas e ainda a de Sinjar, no Iraque, também uma área curda, e o primeiro palco das atrocidades do Daesh. No entanto, viu-se obrigado a recuar um pouco nas suas declarações, que não foram bem recebidas. 

O voto do Bloco de Esquerda foi aprovado também pelo PS, PEV, PAN e pela deputada social-democrata Paula Teixeira da Cruz, mas foi rejeitado pelo presidente da Comissão de Negócios Estrangeiros, o socialista Sérgio Sousa Pinto.

PSD, CDS-PP, os deputados socialistas Renato Sampaio e João Soares abstiveram-se, orientação também seguida pela bancada comunista.

Numa declaração de voto, o PCP referiu que "já exprimiu em diversas situações a condenação pelas acções de violenta repressão do povo curdo pelo Governo e exércitos turcos".

A operação turca contra foi lançada a 20 de Janeiro. O Governo de Erdogan argumentou que invadia a Síria para combater “o terror curdo”. Mas os curdos sírios não atacam a Turquia. O que Ancara pretende é impedir que as três regiões curdas do Norte da Síria — Afrin é uma delas — criem uma continuidade territorial ao longo da fronteira com a Turquia, ligando-se com o Leste do seu território, de maioria curda. Ali existe há três décadas um movimento de luta pela independência e auto-afirmação da cultura curda, liderado pelo Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

É por isso que o Governo turco diz que as milícias curdas sírias YPG que controlam Afrin são uma extensão do PKK, e que invadir o Norte da Síria está a lutar contra "o terrorismo curdo". As YPG são aliadas dos Estados Unidos na luta contra os 'jihadistas' na Síria.

"É triste que o Parlamento português se deixe levar numa ferramenta de propaganda de uma organização terrorista", diz agora o comunicado do Governo turco. O texto aprovado, diz Ancara, "terá por único efeito será prejudicar a reputação do Parlamento".

"Convidamos o Parlamento português a mostrar solidariedade com o nosso país contra o terrorismo e a apoiar os nossos esforços na luta contra o terrorismo, em vez de premiar as actividades de desinformação contra a Turquia", conclui o texto.

Mais de 1500 combatentes curdos morreram em dois meses de ofensiva e esta já permitiu às forças pró-Ancara controlarem 87% do território do enclave, disse o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, adiantando que mais de 200.000 civis fugiram da cidade de Afrineentre 14 e 17 de Março.
 

Sugerir correcção