Já abriu o restaurante vegetariano que é o primeiro cat café do Porto. Miau!

O Porto dos Gatos fica na Avenida Rodrigues de Freitas e apresenta uma carta diversificada e 100% vegan. Pode escolher enquanto convive com felinos como o Fausto e a Cuca.

Foto
Joana Gonçalves

Em tempos, as vidas de Fátima Meireles e Joana Rocha corriam paralelas. As duas resgatavam gatos abandonados nas suas zonas de residência, Esposende e Valongo, oferecendo-lhes cuidados de saúde como vacinação e esterilização. Depois, integravam-nos no circuito de adopção de cada um dos seus projectos, Miau Maria e Pelos Bigodes. Uma adoptante reconheceu uma paixão em comum e a partilha de uma causa e serviu de ponte entre Fátima e Joana. Foi desse encontro que nasceu O Porto dos Gatos, o restaurante vegetariano que é também o primeiro cat café do Porto. “Este é um espaço de restauração onde não há nada de origem animal”, começa por contar Fátima Meireles. “Queremos sensibilizar as pessoas tanto para a defesa dos direitos dos animais como para a alimentação com produtos de base vegetal.”

Sem experiência na área da restauração (Fátima era auxiliar veterinária e Joana arquitecta), as duas sócias serviram-se da sua bagagem enquanto vegetarianas para construir a ementa onde cada item corresponde ao nome de determinada raça de gato. Além do menu do dia, que fica entre 5,50€ e 8,50€ com opção de entrada, sopa, prato e bebida, há hambúrgueres feitos em bolo do caco como o Bombaim (base de feijão preto), Colorprint (grão-de-bico) e o Foldex (lentilhas vermelhas), com o preço único de 7€. Para o almoço, há também tostas entre 3,50€ e 4€ como a Ragdoll (pão saloio, cogumelos frescos, pimento assado, rúcula e queijo feta vegetal) e Pixie-bob (pão saloio, tomate, manjericão fresco, queijo fumado vegetal e orégãos). Outros petiscos ou, melhor dizendo, “gatiscos”, incluem gatinhos da horta (versão vegan de peixinhos da horta), espinafres salteados, beringela laminada ou trouxinhas de alheira vegetal.

Foto
Joana Gonçalves

Joana Rocha destaca a sexta-feira como “a noite da francesinha”, pois é o único dia da semana em que o restaurante está aberto para jantar (funciona entre 14h30 e as 23h30, ao contrário dos restantes dias, em que está aberto entre as 10h e as 20h). Os adeptos da iguaria portuense podem optar pela Europeu Comum (9€), uma francesinha “mais consistente que tem mais ‘enchidos’” e que leva seitan, salsicha vegetal, chouriço picante vegetal e queijo fumado vegetal e molho, ou pela Sphynx (8€), que, tal como o gato franzino e sem pêlo que lhe dá nome, é mais leve e “é baseada em legumes” como a beringela, pimento assado e cogumelos. A carta inclui ainda o CAT’chorro e o CAT’chorro especial, com molho de francesinha, a 6€ e 7€.

Para beber, há chás e sumos naturais, vinhos, cerveja e bebidas espirituosas. Dentro da cafetaria habitual, há café, leite vegetal de amêndoa ou de soja com chocolate e meia de leite, que podem ser pedidos para acompanhar torradas ou scones barrados com manteiga vegetal, xarope de agave ou compotas. A montra de bolos deverá ser rotativa, mas o bolo de frutos secos e cenoura, o brownie e o pastel de nata — sem ovos ou leite — já são gulodices residentes do cat café. Além da componente vegan, alguns doces não levam sequer açúcar, como os scones de cenoura e tâmaras. “Tentamos ir ao encontro do que as pessoas procuram e elas cada vez mais procuram opções saudáveis”, justifica Fátima.

Fausto e Cuca procuram um final feliz

Fátima e Joana afirmam sem hesitar que “este é, em primeiro lugar, um espaço de restauração” e que o convívio com os gatos é deixado ao critério de cada um. Por esse motivo, os felinos encontram-se separados da sala principal por uma parede de vidro, podendo circular livremente no pátio exterior e, quem sabe, saltar para o colo de um possível dono. “Todos os gatos estão aqui para adopção”, esclarece Joana Rocha. “Não seria justo para eles ficar eternamente, porque tê-los aqui não é um negócio.”

Ao contrário de espaços como o Aqui Há Gato, o primeiro cat café português, que abriu em 2016 e encerrou alguns meses depois, ou o Pet & Tea, que abriu em 2017, em Coimbra, o Porto dos Gatos não fixa um preço para entrada na área dos gatos, mas limita-o ao consumo feito no espaço de restauração (que não tem um valor mínimo). Para não-vegetarianos, o cartão-de-visita da casa será certamente a companhia de gatos residentes como Fausto, Cuca, Jaime ou Pires, animais provenientes da associação Vida de Gato (projecto conjunto de Fátima e Joana), de canis municipais ou da rua. “A nossa grande preocupação é proporcionar-lhes qualidade de vida, porque todos eles têm histórias de vida infelizes”, reconhece Fátima. É para assegurar a tranquilidade dos gatos da casa que pretendem evitar-se as enchentes.

Foto
Joana Gonçalves

O Porto dos Gatos é um verdadeiro porto de abrigo para os animais, que ali têm a oportunidade de encontrar um lar permanente, mas é também uma casa construída de cima a baixo pelas quatro mãos que a pensaram. Todos os móveis, cadeiras e mesas fazem lembrar peças que encontraríamos numa loja de antiguidades e não é por acaso — todos foram obtidos em segunda mão. “Nós restaurámos, montámos e envernizámos tudo, porque acreditamos em dar uma nova vida ao que já pode ser considerado lixo por outras pessoas.” Do forro colorido com padrão de gatos das cadeiras às almofadas e aos aventais, tudo tem mão de Fátima e Joana.

Ainda agora abriu portas, mas o cat café já tem os olhos postos no futuro. O objectivo é promover acções de sensibilização, realizar exposições, vender postais e organizar eventos como ioga com gatos. As receitas reverterão a favor da Vida de Gato para que Fátima e Joana possam seguir com a missão que as juntou: tirar mais animais da rua e dar-lhes um final feliz.