Oito esculturas com beatas apanhadas do chão vão estar expostas em Setúbal

Mais de 70 mil pontas de cigarro recolhidas em 11 acções realizadas em 2017 na zona urbana e praias do Sado são a matéria prima utilizada na concepção de obras de arte abstracta.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Que fazer com as 74.658 beatas que 144 voluntários recolheram em 11 acções nas praias do Sado e na zona urbana de Setúbal que decorreram desde Abril de 2017? Esta era a dúvida que apoquentava o grupo Feel4Planet quando terminou a campanha #STBSEMPONTAS que organizara. A solução surgiu através de uma proposta da artista plástica Ana Quintino, natural e residente em Setúbal: dar-lhes forma através da arte e desta forma dar continuidade à sensibilização e consciencialização das pessoas para o duplo malefício do tabaco.

Carolina Nunes, uma das quatro jovens fundadoras do grupo Feel4Planet, criado em 2017, contou ao PÚBLICO que as “beatas foram mantidas guardadas" pois não sabiam o que fazer a uma carga de lixo equivalente a 2652 maços de tabaco.

A ideia de Ana Quintino de recorrer à arte, “vai permitir continuar a chamar a atenção das pessoas para a problemática das beatas e do mau hábito de as atirar para o chão”. A exposição das oito esculturas e de três quadros pintados, “para além de ser uma boa ideia, é uma forma diferente de realçar o acto reprovável de mandar as pontas dos cigarros para qualquer lado”. Possibilita ainda chamar a atenção das pessoas para “as questões do lixo marinho e urbano e o perigo que estas representam para o ambiente", acentuou a jovem. A concepção das esculturas passa pela confecção de bastantes peças em forma de colares de missangas.

No decorrer das acções de recolha de beatas, as jovens do Feel4Planet tentavam sempre contabilizar o que apanhavam do chão. “Contámos as beatas uma a uma procurando obter o número mais correcto possível” sublinha Carolina Nunes. E desta forma, juntaram 74.658 beatas sendo que as apanharam na zona urbana de Setúbal eram maiores e menos degradadas do que as recolhidas nas praias, que se encontravam mais degradadas”, acrescenta

Os 144 voluntários realizaram ao longo do último ano nove acções e recolheram 53.032 beatas. As restantes beatas, que perfizeram as 74.658, foram apanhadas no decorrer de duas jornadas realizadas durante o primeiro trimestre deste ano. Cerca de 13 horas foi o tempo somado das 11 acções. 

Carolina Nunes diz que o grupo de que faz parte fez uma estimativa sobre o número de beatas que em Portugal são mandadas para chão em cada minuto que passa: “Obtivemos uma média de 7 mil beatas”, o que dá uma ideia da amplitude do problema associado a um gesto que tem sido difícil de erradicar.

A exposição "Beata no chão, no mar, na areia: uma perigosa viagem" abrirá ao público no próximo dia 4 de Abril pelas 21h no Auditório Casa do Largo/Pousada da Juventude de Setúbal e decorrerá até ao dia 23 de Abril.