Morreu Manuel Reis, o “príncipe da noite que iluminou Lisboa”

Revolucionou a noite da capital, foi figura central da renovação do Bairro Alto e fundou dois espaços impulsionadores da cultura da cidade: o Frágil e o Lux.

Foto
Manuel Reis com a DJ Yen Sung, em 2001. Cortesia do blogue da fotógrafa Luísa Ferreira Luísa Ferreira

Manuel Reis, proprietário do espaço Lux-Frágil, que este ano completa duas décadas, morreu este domingo aos 71 anos, na sequência de complicações causadas por um cancro. A notícia da morte foi confirmada ao PÚBLICO por fonte daquele espaço. Figura fundamental da renovação do Bairro Alto na década de 80, através do Frágil, viria a fundar o Lux-Frágil em 1998, um dos símbolos da cidade de Lisboa. Muito mais do que simples espaços nocturnos, ambos se afirmaram como impulsionadores culturais, fazendo acontecer a cidade.

"O Manuel Reis morreu. Foi hoje, em Lisboa, a cidade que ele escolheu. A cidade que agora se despede de um dos seus maiores inventores", lê-se num comunicado do Lux enviado esta noite. "O Manuel fez maior esta cidade, o nosso mundo e as nossas vidas também."

Reis nasceu no Algarve e veio estudar para Lisboa muito jovem. Esteve sempre ligado ao mundo do design, da moda e do teatro, ao mesmo tempo que abria bares e restaurantes. A linha dos armazéns onde está a Bica do Sapato é outro dos seus projectos marcantes. Revolucionou a noite lisboeta quando a 15 de Junho 1982 abriu, no espaço de uma antiga padaria no Bairro Alto, o bar Frágil, cuja modernidade e arrojo deixaram uma marca inesquecível na cidade.

Foi durante anos o ponto de encontro de artistas, poetas e intelectuais, mas também estudantes ainda sem currículo. Para uma parte dos lisboetas, as novas decorações do Frágil, feitas por Pedro Cabrita Reis, Rui Sanches, Francisco Rocha, e outros artistas, eram esperadas como rituais imperdíveis. A estética era afinal um valor supremo para Reis, um antiquário que era um "decorador de interiores nato" e que fazia de Paris a sua segunda casa, como recorda Joana Stichini Vilela em LX80.

A "recusa da mediocridade"

“Ele foi sempre um príncipe da noite que iluminou Lisboa durante 30 anos”, diz ao PÚBLICO o artista plástico Pedro Cabrita Reis. “Sem ele, isto fica tudo um bocado mais escuro.” Cabrita, que em 1985 foi o primeiro artista a ser convidado a decorar o bar Frágil (e cobriu as paredes e os tectos de tulipas, soldados de plástico e vários outros objectos), diz que “as pessoas, provavelmente, não vão perceber já o que ele fez, a recusa da mediocridade, a vontade enorme de fazer coisas, de dar a Lisboa e às pessoas um lugar que não existia, um olhar diferente”.

Depois do icónico Frágil, que Reis abriu com o sócio Carlos Fonseca, anos mais tarde abriu a discoteca Lux, em Santa Apolónia, à beira do rio Tejo.

“O Manel era um inovador, um empreendedor, um homem com visão, e fez isso tudo sempre a apoiar e a lançar os jovens artistas”, disse ao PÚBLICO uma amiga próxima. “Chegou ao Bairro Alto nos anos 1980 quando o bairro era um mundo onde se faziam coisas, não era só um mundo de copos. Havia uma energia especial, estávamos sempre a inovar na forma de estar”, conta. Mas o resultado foi maior: “O Manel entrou a mudar o Bairro Alto e acabou a mudar Lisboa.”

“Eu devo muito ao Manel Reis”, diz Filipe Alarcão, hoje um dos mais consagrados designers portugueses. “Devo-lhe o início da minha carreira como designer.” Em 1988, Reis decidiu fazer para a sua Loja da Atalaia, na altura no Bairro Alto, uma Colecção de Móveis e Objectos e convidou vários autores para desenharem peças originais, que viriam a ser produzidas em série limitada e numerada, coisa que na época não acontecia em Portugal. “Entre os convidados estavam a Margarida Grácio Nunes, o Fernando Sanches Salvador, o Eduardo Souto de Moura e outros, mas também jovens como eu e o Pedro Silva Dias, que estávamos a começar. Ele era muito curioso e estava sempre muito atento. Nós crescemos por causa do Manel, ele puxou por nós e fez-nos crescer.” Alarcão faz uma pausa e conclui: “O Manel era ímpar. Não consigo pensar em mais ninguém que tenha influenciado tanta gente, durante tantos anos, de forma tão transversal. Vou sentir muito a sua falta.”

Um "apetite pelas coisas incomuns"

“Era um príncipe da cidade, é a única coisa que me ocorre”, disse ao PÚBLICO a jornalista Paula Moura Pinheiro. “Um príncipe no trato também. Era um homem de extrema criatividade e de enorme delicadeza”, descreve. “Foi um visionário no que respeita à cidade e à vida da cidade. Acrescentou muita beleza e mundo à cidade de Lisboa, tendo contribuído para a viragem de uma Lisboa provinciana e paroquial para uma cidade mundana aberta às artes”, diz. “Era um homem muito discreto, ouvia-se muito pouco. Era fóbico com tudo o que fosse exposição", recorda.

Eduarda Abbondanza recorda Reis com “um amor enorme”. “O Manuel fez parte da minha vida adulta toda, foi estruturante”, diz.

Manuel Graça Dias, escritor e arquitecto, lembra um “amigo” e uma “personagem importantíssima na cultura lisboeta”. “Era um homem inventivo que punha a sua capacidade de invenção ao serviço dos outros. Preencheu a noite lisboeta de uma maneira completamente original e inesperada e preencheu também as almas das pessoas de quem era amigo”, diz.

O realizador Joaquim Leitão recorda o "óptimo gosto" e "apetite pelas coisas incomuns" do fundador de "um dos sítios mais emblemáticos de Lisboa do século passado".

"Tinha prazer em receber coisas fora do normal, era uma pessoa muito aberta a isso. É uma grande perda para todos", disse ao PÚBLICO o cineasta.

"Um génio de Lisboa"

Miguel Esteves Cardoso, num artigo recente, descrevia o fundador do Lux-Frágil como "um génio de Lisboa, daqueles que emergem das lamparinas e que nos oferecem três desejos". "Quanto mais impossíveis os desejos mais ele teima em realizá-los. O Frágil e o Lux Frágil eram impossibilidades, continuam a ser fantasias que, ninguém sabe como, se tornaram realidades. E todas as noites renascem", escreveu.

Através do Facebook, o antigo presidente da Câmara Municipal de Lisboa e ex-ministro da Cultura João Soares assinala a morte de "alguém de um bom gosto, sensibilidade e talento raros" a quem a cidade "deve uma obra notável".

O corpo de Manuel estará em câmara ardente esta terça-feira no Teatro Thalia, em hora a comunicar.