Direita italiana caminha para cenário de partido único com Salvini como líder

Sem herdeiro político, aos 81 anos, Berlusconi está a deixar nervosos muitos membros do seu partido. Quando pensam nas próximas eleições, sabem que será o chefe da Liga a garantir que são eleitos - não o veterano Cavaliere.

Salvini, ao centro, na sessão de sábado do Senado
Foto
Salvini, ao centro, na sessão de sábado do Senado Giuseppe Lami/EPA

Era uma das grandes incógnitas saídas da contagem dos votos das eleições de 4 de Março em Itália, aquelas que tiveram os resultados mais surpreendentes de que há memória. Conseguirá Silvio Berlusconi, tantas vezes considerado politicamente morto e outras tantas ressuscitado como líder da direita, capaz de se adaptar a um papel secundário?

Desde que entrou na política para criar a nova direita italiana, vencendo as eleições três meses depois de fundar a Força Itália, Berlusconi só governou em coligação. Contou desde sempre com a Liga, o partido antes soberanista e agora essencialmente populista e xenófobo, que Matteo Salvini transformou num movimento nacional. O problema é que o partido de Berlusconi foi sempre o mais votado – e ele nunca pensou que perderia esse estatuto, empenhando-se a fundo na campanha (mesmo sem poder ser eleito, inabilitado até 2019 por uma condenação por fraude fiscal).

Berlusconi não se viu na noite de 4 de Março nem no dia seguinte. Salvini, cujo partido ultrapassou os 17%, deu a conferência de imprensa da vitória, na segunda-feira, e anunciou que a seguir falaria com o aliado; visitou-o nesse mesmo dia, prometendo que não quebraria o pacto pré-eleitoral.

Segundo contaram à imprensa italiana alguns dos seus próximos, Berlusconi estava inconsolável, sem conseguir gerir a abrupta queda que o deixou pouco acima dos 14%. “Eu não percebo”, “Este não pode ser o meu legado”, terão sido alguns dos desabafos.

A coligação existia nos boletins mas a campanha fez-se de forma individual, com apenas uma iniciativa conjunta. Salvini apostou no discurso da segurança e da ameaça que diz constituir “a invasão de imigrantes”; Berlusconi, pelo contrário, apresentou-se como o moderado que iria conter a Liga, fez-se receber em Bruxelas (num momento em que os italianos se sentem abandonados pela União Europeia) e até anunciou o seu candidato a primeiro-ministro, Antonio Tajani, presidente do Parlamento Europeu e membro do seu partido.

Contas feitas, só há lugar para um líder à direita e esse, por mais que doa a Berlusconi, é definitivamente Salvini. Se dúvidas restassem, o voto de sexta-feira à tarde num candidato distinto do pretendido por Berlusconi para presidir ao Senado desfizeram-nas. O Movimento 5 Estrelas recusava votar na escolha de Berlusconi, Salvini fez saber quem manda e que não desperdiçaria a hipótese de um acordo para dividir as presidências das câmaras do Parlamento.

Numa análise publicada no diário La Repubblica, o jornalista Claudio Tito já fala na “OPA de Salvini”. Sem herdeiro político, aos 81 anos, Berlusconi está a deixar nervosos muitos membros do seu partido. Assim, escreve Tito, é normal que os deputados da Força Itália se interroguem: “’Quem nos vai garantir lugares nas próximas eleições?’ E a resposta é inequívoca: Salvini e já não o velho líder”.

Segundo Tito, se Salvini não fala de tudo com Berlusconi isso não significa que não consulte os deputados da Força Itália que lhe estão mais próximos e já antecipam “um adeus à liderança” do ex-primeiro-ministro. “O objectivo é arquivar o Cavaliere e apostar num partido único de direita ou numa federação”.