Carla Soveral deixou tudo para fazer carteiras, chamam-se Envelope Lisboa

A Envelope Lisboa apresenta 60 modelos com cores e tecidos diferentes, disponíveis em três tamanhos.

Fotogaleria
Carla Soveral DR
Fotogaleria
Mini Purse (41 euros) DR
Fotogaleria
Purse (62,50 euros) DR
Fotogaleria
Clutch (90 euros) DR
Fotogaleria
Bloom Collection DR
Fotogaleria
Bloom Collection DR
Fotogaleria
Bloom Collection DR
Fotogaleria
Bloom Collection DR
Fotogaleria
Bloom Collection DR
Fotogaleria
Bloom Collection DR

Um dia, Carla Soveral, que sempre gostou de “fazer trabalhos manuais”, decidiu vender a sua parte de uma agência de comunicação e criar a Envelope Lisboa, uma marca de carteiras feitas pela própria e com a forma de um envelope de papel.

Apesar de ser licenciada em Design de Moda pela Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa, ao longo dos últimos 19 anos foi trabalhando em diferentes áreas. Já escreveu para revistas de moda, já trabalhou em agências de comunicação e já foi florista. Actualmente, com 42 anos, está inteiramente dedicada à Envelope Lisboa. “Em 2008 decidi criar a minha própria agência de comunicação, juntamente com outros sócios, a Triângulo das Bermudas. No ano passado vendi a minha parte e deixei de olhar para a Envelope como um hobby”, partilha, confessando que já não se sentia realizada. “Gosto de interagir com as pessoas e com os clientes mas quando se é dono de uma empresa acabamos por fazer o trabalho menos interessante. Na minha perspectiva gerir uma empresa não é tão interessante como interagir com as pessoas.”

Por isso, apesar de já ter criado a marca em 2015, só no final do ano passado decidiu dedicar-se por inteiro a fazer uns envelopes muito especiais. “A escolha deste formato deve-se ao facto de ser universal, ou seja, toda a gente no mundo sabe o que é um envelope. Achei muito interessante usar o formato de um objecto comum e de pouca duração e transformá-lo num objecto original, produzido em pele e bastante resistente”, explica.

Produzidos à mão por Carla Soveral, as carteiras são de pele e revestidas com tecido acetinado por dentro. A primeira colecção chama-se Bloom. “Tem 60 modelos de envelopes, resultantes da combinação de dez cores e dez padrões diferentes.” Apesar de os tecidos serem quase todos importados, também se podem encontrar alguns com padrões exclusivos da marca, desenhados pela ex-assessora de imprensa. Já as peles, ao contrário dos tecidos, são de origem portuguesa.

“As carteiras foram produzidas consoante moldes de três tamanhos fixos e que coincidem com o tamanho de envelopes reais. O C5, o C6 e o C7”, acrescenta. Assim, o tamanho maior corresponde a uma clutch e custa 90 euros; a purse, de tamanho médio, custa 62,50 euros e pode ser utilizada para guardar telemóveis e produtos de cosmética; já a mini purse, corresponde ao tamanho mais pequeno, custa 41 euros e pode ser utilizado, por exemplo, para guardar cartões.

Além desta colecção a marca conta já com duas colaborações. Uma com a ilustradora Irene Filipe e outra com os designers Storytailors. “A Irene desenhou directamente no tecido que usei numa edição limitada de 15 envelopes. O tecido foi desenhado e pintado à mão”, descreve. Em relação aos Storytailors, Carla Soveral conta que esta colaboração se baseou na utilização de alguns tecidos que pertenciam a uma colecção da dupla: “Depois de escolher os tecidos conjuguei-os com peles de diferentes cores que achei que ficavam bem. Esta edição limitada esteve à venda na loja deles.”

A marca, que participou na Wonder Room da ModaLisboa, no início deste mês, tem apenas loja online, mas disponibiliza o produto em lojas físicas como a Sal Concept Store, em Lisboa.

Texto editado por Bárbara Wong