Rui Rio reúne-se com as distritais na próxima semana

Antes deste encontro com as distritais, na reunião da Comissão Política Nacional deverá ser aprovada a versão final do regulamento do Conselho Estratégico Nacional (CEN), a que Rui Rio pretende dar novos poderes.

Conselho estratégico já existia, mas vai ter novos poderes
Foto
Conselho estratégico já existia, mas vai ter novos poderes Miguel Manso

O presidente do PSD, Rui Rio, convocou esta quinta-feira os presidentes das comissões políticas distritais do partido para uma reunião na próxima quarta-feira à noite, a primeira desde que foi eleito líder.

De acordo com a convocatória a que a Lusa teve acesso, enviada pelo novo secretário-geral, José Silvano, a reunião terá lugar em 28 de Março, na sede nacional, pelas 20h30, na mesma data em que se reunirá também a Comissão Política Nacional.

Este encontro com as distritais realiza-se nos termos previstos pelos estatutos do PSD, que determinam que "o presidente da Comissão Política Nacional e o secretário-geral reúnem, ordinariamente, de dois em dois meses, para articulação política de matérias de âmbito geral e distrital, com os presidentes das Comissões Políticas Distritais".

Antes deste encontro com as distritais, na reunião da Comissão Política Nacional deverá ser aprovada a versão final do regulamento do Conselho Estratégico Nacional (CEN), a que Rui Rio pretende dar novos poderes.

A 7 de Março, Rui Rio anunciou que a Comissão Política do partido tinha aprovado novas funções para o CEN, que passará a estar dividido por secções temáticas (à partida 16) e terá porta-vozes e coordenadores, que falarão em nome do partido, e que poderão ser replicados à escala distrital.

Questionado nessa data se esta nova forma de organização não retira poder às distritais e aos deputados, que têm assumido essa função de porta-vozes, Rui Rio considerou que será um desafio às estruturas e salientou que cada secção temática terá sempre representantes do grupo parlamentar.

As 16 secções temáticas propostas são: relações externas; assuntos europeus; reforma do Estado e descentralização; defesa nacional; finanças públicas; justiça, cidadania e igualdade; segurança interna e protecção civil; agricultura, alimentação e florestas; coesão do território, ambiente e natureza; economia, inovação e internacionalização; saúde; solidariedade e bem-estar; educação, cultura e desporto; ensino superior, ciência e tecnologia e assuntos do mar.

As secções temáticas nacionais poderão ter a sua sede em diferentes cidades e ser replicadas pelas distritais que assim entenderem.