Estas são as canções da primeira semifinal da Eurovisão

A 8 de Maio, na Altice Arena, em Lisboa, arranca definitivamente o primeiro concurso europeu da canção realizado em Portugal (há uma actuação no dia anterior, para o júri deliberar). Este espectáculo contará com as entradas de países como Bielorússia, Grécia, Chipre, Croácia, Macedónia, Finlândia, Áustria, Suíça ou Israel.

Foto
Este ano, pela primeira vez, a Eurovisão será em Lisboa Gleb Garanich/Reuters

É, na verdade, a 7 de Maio que arranca a edição deste ano do Festival da Eurovisão, que pela primeira vez se realiza em Portugal, já que cada semifinal e a final têm três espectáculos diferentes, praticamente iguais: o para o júri, o para famílias e o em directo. O primeiro, que serve para o júri ver as actuações pela primeira vez, é sempre no dia anterior aos outros dois, às 19h30. O para famílias é à hora do almoço, para quem não quiser ficar acordado até tarde, e o último é aquele que vemos na televisão, e só nesse é que sabemos os vencedores. 

A final da Eurovisão será a 12 de Maio, na Altice Arena, com actuações de Mariza e Ana Moura, Salvador Sobral, a cantar o tema que o fez vencedor no ano passado e um inédito, Branko e Beatbombers, o duo de DJ Ride e Stereossauro. A última vaga de bilhetes para as semifinais e a final será posta à venda a 5 de Abril.

Há 43 canções a concurso nas cerimónias apresentadas por Daniela Ruah, Catarina Furtado, Sílvia Alberto e Filomena Cautela. O sorteio dos países que vão participar em cada uma das semifinais (a 8 e 10 de Maio) decorreu em Janeiro. A primeira terá canções da Suíça, Finlândia, Bielorrússia, Bulgária, Áustria, Lituânia, Albânia, Irlanda, Arménia, Chipre, República Checa, Bélgica, Croácia, Islândia, Azerbaijão, Grécia, Israel, Estónia e Macedónia, com três dos países pré-qualificados, Portugal, por ter vencido no ano passado, Espanha e Reino Unido, por fazerem parte dos chamados "cinco grandes", a terem direito de voto. Esses três votantes participarão na final, à qual Cláudia Pascoal levará O Jardim, de Isaura.

Primeira parte

Bielorússia

Alekseev – Forever

Nikita Vladimirovich Alekseev participou na versão ucraniana de The Voice e teve um êxito na Rússia e na Ucrânia chamado Pyanoye solntse. Forever, que interpretou na competição bielorussa envergando um fato com luzes, foi uma entrada polémica, já que a sua versão russa tinha sido interpretada ao vivo antes de 1 de Setembro de 2017, o que a desqualificava para concurso. O intérprete teve de a modificar completamente, mas a Eurovisão deu-lhe a hipótese de cantar a versão original em inglês, e é isso que ele fará.

Bulgária

Equinox - Bones

Os Equinox são compostos por cinco cantores, três deles búlgaros (Georgi Simeonov, Vladimir Mihailov e Zhana Bergendorff, a vencedora de uma temporada da versão local de X-Factor) e dois norte-americanos (Trey Campbell, que foi ao American Got Talent e Johnny Manuel, que co-escreveu a canção). Bones, uma balada electrónica com algo de soturno, foi, tal como a concorrente austríaca, Nobody But You, de César Sampson, produzida por Symphonix International, um grupo vienense.

Lituânia

Ieva Zasimauskaite - When We're Old

A Lituânia foi o último país a apurar uma canção para a Eurovisão. When We’re Old, uma balada ao piano, é interpretada por Ieva Zasimauskaite, que já tentou várias vezes ir à Europa, mas só agora conseguiu. Quando se qualificou, cantou parte da letra em lituano, pelo que isso poderá também acontecer em Lisboa.

Albânia

Eugent Bushpepa - Mall

Eugent Bushpepa é um cantor de rock que trabalha regularmente desde 2006, quando se tornou vocalista de um programa de televisão na Albânia após ter morado uns anos em Itália, mas ainda não lançou um álbum em nome próprio, só singles. Já fez a primeira parte de concertos de bandas como Deep Purple e actuou com Ron Thal, que foi guitarrista dos Guns N' Roses de 2006 a 2014.

República Checa

Mikolas Josef - Lie to Me

Mikolas Josef é um ex-modelo que mudou de carreira para se tornar músico profissional, estudou na LAMDA (London Academy of Music and Dramatic Art) e trabalhou como músico de rua. Em Lisboa irá interpretar Lie to Me, que tem uma certa uma vibração rap/r&b retro.

Bélgica

Sennek - A Matter of Time

Além de representar o seu país na Eurovisão, Laura Groeseneken trabalha em merchandising visual no IKEA, dá aulas de treino vocal e co-escreveu canções para os compatriotas Hooverphonic. A Matter of Time quase poderia ser um tema da saga James Bond – Laura já fez, aliás, uma versão de Tomorrow Never Dies, de Sheryl Crow, que foi escrita para o filme homónimo da saga.

Islândia

Ari Ólafsson - Our Choice

Este cantor islandês que viveu na Flórida tem apenas 19 anos (faz 20 alguns dias após a final da Eurovisão), mas já conta com oito anos de experiência em cima dos palcos no âmbito do teatro musical (foi Oliver Twist em Oliver!, o musical de Lionel Bart baseado em Dickens, por exemplo). Essa prática nota-se em Our Choice, o tema que vai interpretar.

Azerbaijão

AISEL - X My Heart

A cantora azeri AISEL, que no cartão do cidadão se chama Aysel Mammadova (o "i" do nome artístico ajuda a distingui-la de Aysel Teymurzadeh, uma compatriota sua que foi à Eurovisão em 2009), começou no mundo do jazz e vai representar o seu país com uma canção pop electrónica dançável e radiofónica que começa só com voz e piano e vai crescendo a partir daí até a uma explosão no refrão.

Israel

Netta - Toy

Netta Barzilai representa Israel, que já ganhou três vezes a competição, com Toy, uma canção de afirmação no feminino (parte do refrão é “I’m not your toy, you stupid boy”) inspirada pelo movimento #MeToo que tem referências à Wonder Woman – que no cinema é interpretada por Gal Gadot, uma compatriota de Netta. O tema tem inclui a intérprete a cantar algo que se aproxima do som do carcarejar de uma galinha – com uma dança a condizer –  e junta pop, rap e música mizrahi.

Estónia

Elina Nechayeva - La Forza

A cantora da Estónia é uma soprano de formação clássica, e isso é aproveitado por La Forza, uma canção pop operática cuja letra é em italiano.

Segunda parte

Suíça

Zibbz - Stones

Corinne “Coco” Gfelle e o seu irmão Stefan Gfeller são os Zibbz, que vêm de Zurique mas hoje moram em Los Angeles. Ela canta, enquanto ele produz e toca teclados e bateria – foi isso que fez, em playback, quando o duo se apurou. Na actuação no Die Entscheidungsshow, que decidiu a entrada dos irmãos no concurso, apresentaram-se com um triângulo azul e um triângulo vermelho em cima do palco, um para cada um.

Finlândia

Saara Aalto - Monsters

Das outras duas vezes que Saara Aalto tentou ir à Eurovisão, em 2011 e 2016, com canções que ela própria escreveu, ficou em segundo lugar. A cantora, que já passou pelas versões finlandesas dos programas The VoiceX Factor, foi escolhida para cantar na competição internacional, com um tema co-escrito por ela e pelo casal sueco Joy e Linnea Deb, que trabalharam com nomes como 5th Harmony, JoJo ou Akon, e KiFi.

Áustria

Cesár Sampson "Nobody but You"

César Sampson é membro do grupo de produtores Symphonix International, que também tiveram mão em Bones, de Equinox, a canção concorrente búlgara, e em outros temas que a Bulgária já levou à Eurovisão. Nobody But You é pop electrónica com toque gospel.

Irlanda

Ryan O'Shaughnessy - Together

Tal como muitos outros cantores em competição, Ryan O’Shaughnessy tem uma carreira que foi ajudada por concursos de talentos televisivos, neste caso, Britain’s Got Talent e a versão irlandesa do The Voice. Together é um tema pop-rock sobre o fim de uma relação que foi co-escrito pelo cantor que é sobrinho de Gary O’Shaughnessy, artista que representou este país na Eurovisão em 2001, com Without Your Love.

Arménia

Sevak Khanagyan - Qami

Sevak Khanagyan, que ganhou o X-Factor ucraniano, participou no The Voice russo e, apesar de ser na Rússia que vive, é arménio, gozando de popularidade nesses três países. Qami, co-escrita por ele, quer dizer “vento” em arménio.

Chipre

Eleni Foureira - Fuego

Nascida na Albânia e residente em Atenas, Eleni Foureira fez parte do grupo Mystique, que começou em 2007. Fora da banda, tem feito uma longa carreira a solo. Em Fuego só a palavra que lhe dá nome é em espanhol, o resto da canção é em inglês.

Croácia

Franka - Crazy

Com o seu quê de Fallin’, de Alicia Keys, algo que os comentários do vídeo no YouTube têm assinalado, Crazy é a canção croata, interpretada por Franka (Batelic), que, tal como muitos dos outros intérpretes da Eurovisão, também ficou conhecida numa competição televisiva (neste caso, Showtime).

Grécia

Yianna Terzi - Oneiro Mou

A viagem de Yianna Terzi, a filha do cantor Paschalis Terzis, até à Eurovisão foi longa e acidentada. O Ellinikós Telikós, o concurso que selecciona as canções (nos últimos dois anos tinha havido uma selecção interna da ERT, a televisão estatal grega), já tinha sido marcado pela desqualificação de alguns concorrentes por as músicas não soarem suficientemente a gregas – mesmo tendo letras em grego –, ficando a competição só com três candidatos. Só que acabou por nunca haver uma final porque as editoras discográficas de dois dos candidatos não conseguiram provar que garantiam o pagamento do custo de 20 mil euros para financiar a participação grega no concurso e por isso Yianna Terzi foi a escolhida, já que a sua editora, Panik Records, garantiu ter esse dinheiro. Oneiro Mou (“o meu sonho”) é o tema que a cantora traz a Lisboa.

Macedónia 

Eye Cue - Lost and Found

O duo Eye Cue existe desde 2008, ano em que teve um êxito macedónio com Magija. A banda da Skopje, a capital do país, une Bojan Trajkovski e Marija Ivanovska, e são eles os dois que vão interpretar Lost and Found, pop-rock com um ligeiro travo a reggae.