Barreiras Duarte diz-se “alvo de campanha ignominiosa” e aguarda desfecho de investigação da PGR

Secretário-geral do PSD diz que a acusação mais grave relacionada com o seu currículo académico "caiu por terra" e promete agir judicialmente contra danos causados à sua reputação.

Foto
MIGUEL A. LOPES

O secretário-geral do PSD, Feliciano Barreiras Duarte, disse esta terça-feira em comunicado que a decisão da Procuradoria-Geral da República de abrir um inquérito às dúvidas sobre o seu currículo académico “vai ao encontro” dos seus “mais profundos desejos de ver” a actual polémica “cabal e completamente esclarecida”.

A PGR recolheu elementos sobre o caso de Barreiras Duarte — que assumiu, nas suas notas curriculares, uma ligação à Universidade da Califórnia, em Berkeley — e encaminhou-os para o Departamento de Investigação e Acção Penal, segundo se lia numa nota da procuradoria enviada também esta terça-feira ao PÚBLICO.

“Vou esperar, serenamente e em silêncio absoluto, mas, confesso, magoado, pelos resultados do inquérito da PGR. Sofri muito nos últimos dias, por causa deste vilipêndio”, reage Barreiras Duarte.

“Nada fiz de errado no chamado processo de Berkeley; todos os movimentos e acções relacionados com esse caso estão devidamente documentados e são inequívocos quanto à minha inocência; fui convidado para visiting scholar (estatuto que não confere qualquer grau académico) e não me fiz convidado; não tirei qualquer proveito da Universidade de Berkely – nem financeiro, nem académico, nem profissional, nem político”, garante o secretário-geral do PSD, que se diz alvo de uma campanha com motivações políticas.

“Tenho nos últimos dias, e não obstante ter dado sempre todos os esclarecimentos que me pediram, desmentindo o que eu naturalmente sabia ser falso, sido alvo de uma campanha ignominiosa, que me afecta e à minha família de forma tão grave quanto só as pessoas de bem podem avaliar, mas que, em última análise, tem o objectivo principal de atacar a direcção do PSD e em particular o seu líder, Rui Rio”, diz.

O secretário-geral do PSD afirma ainda que “a principal e mais grave acusação” de que é alvo, relativa a falsificação de documentos, "caiu por terra", referindo que uma professora da Universidade de Berkeley dá agora como verdadeiro, em declarações ao Observador, um documento que antes tinha garantido que era falso, e que atestará a sua passagem pela instituição californiana como visiting scholar.

Barreiras Duarte diz ainda reservar-se o direito de recorrer a "todos os meios legais" para agir contra danos à sua reputação.