Empresas

Mercadona aumenta presença em Portugal para nove lojas

O grupo de supermercados Mercadona já tem decidida a abertura de nove lojas em Portugal. São mais cinco lojas do que as quatro previstas desde que anunciou a sua internacionalização em Junho de 2016.
Foto
Reuters/HEINO KALIS

O anúncio foi feito esta terça-feira em Valência, pelo presidente-executivo (CEO) e maior accionista da empresa, Juan Roig, durante a apresentação de resultados da companhia. O gestor, que hoje fez a 20ª apresentação de resultados da Mercadona, não adiantou contudo nem datas, nem valores para as cinco novas unidades em Portugal. Os destinos das cinco novas lojas agora anunciadas são Porto (cidade), Braga, Penafiel, Barcelos e uma segunda unidade em Gaia.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

As quatro já previstas, cuja primeira irá abrir ainda durante o primeiro semestre do próximo ano, são localizadas na Maia, em Gaia, Gondomar e Matosinhos e fazem parte da fase inicial de investimento da expansão  em Portugal, com um custo de 25 milhões de euros já contabilizados no exercício de 2017.

A Mercadona, que constituiu uma subsidiária em Portugal, a Irmãdona, fundou a sua sede de expansão no território nacional no Grande Porto. Porquê? A decisão foi fruto de um estudo de mercado, explicou Juan Roig, a meta é todo o território português e, traduzindo livremente do espanhol, "logo iremos a Lisboa". Mas quando a questão é porquê Porto e não Lisboa para arrancar com a operação, a resposta tem mais de valenciano do que de espanhol: "não acredito no centralismo". Criada em 1977, a Mercadona expandiu até às 1627 lojas e vendas de 22.915 milhões de euros em 2017 e é líder do retalho em Espanha, sem nunca ter mudado a sede de Valência.

"Portugal será dirigida por portugueses", disse ainda o líder da Mercadona, referindo-se à equipa de gestão da subsidiária portuguesa e das lojas. Para isso, o grupo já contratou 120 quadros portugueses de gestão intermédia.

Online avança

Quando abrir a primeira loja em Portugal, no próximo ano, a Mercadona Online será já  uma realidade, mas só numa cidade.

Na conferência de imprensa que esta manhã Juan Roig deu para quase 100 jornalistas da Península Ibérica, o CEO da Mercadona revelou que o projecto do que chamou Laboratório Mercado Online vai avançar "no segundo semestre de 2018 em Valência". A possibilidade de comprar online estará contudo apenas disponível para a cidade que dá nome à comunidade autonómica, com o suporte de uma "aplicação móvel nova, um armazém online e veículos de distribuição de três temperaturas". Em 2020, salientou contudo Roig, "o objectivo é estar em outras cidades".

A Mercadona, empresa familiar não cotada e controlada em 80% por Juan Roig e restante família, aumentou as vendas em 6% em 2017. Os lucros recuaram 49%, para 322 milhões de euros, após  ter pago 313 milhões de euros em prémios aos trabalhadores e 205 milhões de euros de impostos.

O presidente-executivo salientou que os lucros até foram superiores aos 300 milhões de euros previstos para 2017 no início desse ano e relembrou que o grupo está num processo de investimento de remodelação de lojas, sem recurso a endividamento e assente em recursos próprios (que subiram de 4,91 mil milhões para 5,11 mil milhões  de euros no ano passado). Em 2017 foram investidos mil milhões de euros (incluindo a expansão em Portugal) e entre 2018 e 2023 serão aplicados outros 8,5 mil milhões de euros, altura em que as 1627 lojas estarão todas reformuladas em Espanha.

No final de 2017, a empresa empregava 84.000 trabalhadores, "todos fixos", o que compara com os 74.000 de um ano antes.

*O PÚBLICO viajou a convite da Mercadona