Altice vai manter marcas PT Empresas e Meo

Empresa muda de planos e decide que as marcas comerciais da antiga PT vão continuar a existir, embora debaixo do chapéu Altice Portugal.

Foto
Altice apresentou as novidades com recurso ao robô Sophia, que ganhou destaque no Web Summit.

“Sem pressas”, mas também “sem vergonha do passado”, a PT vai dar lugar à Altice Portugal, mas não vai sair completamente de cena. Até porque, ao contrário do anunciado em Maio passado pelo grupo de Patrick Drahi, as “marcas históricas” da antiga Portugal Telecom permanecerão activas.

O presidente da empresa, Alexandre Fonseca, juntou esta terça-feira os colaboradores na Altice Arena para explicar que houve uma mudança de planos e que as marcas Meo e PT Empresas não vão mesmo desaparecer, permanecendo activas, tal como a Moche, Uzo e Sapo.

“No momento em que clarificamos quem somos, somos a Altice Portugal, não abandonamos as marcas que os portugueses conhecem”, afirmou o gestor mais tarde, num encontro com a imprensa. É que se a marca institucional é a Altice, a empresa não quer deixar de tirar partido de activos importantes como as “marcas líderes no consumo” e “líderes em notoriedade”.

Esta “clarificação” da identidade do grupo Altice Portugal vai materializar-se num “rebranding suave e gradual”, “sem pressas e pressões”, mas que se tornará visível já a partir desta terça-feira: “A partir de hoje começamos a ver a marca Altice Portugal presente nalguns dos ícones do nosso país, desde logo a sede”, nas Picoas, em Lisboa. Mas também nos emissores do Monte da Virgem e de Monsanto, exemplificou.

Em Maio do ano passado, o grupo levou jornalistas dos vários países onde a Altice está presente a Nova Iorque para anunciar o lançamento da nova marca global. Nessa ocasião, Michel Combes, o ex-presidente executivo da empresa, foi claro quanto ao racional da adopção de uma única identidade global: “As marcas que a Altice tem actualmente não são consistentes” com o projecto do grupo de convergir toda a sua oferta de telecomunicações, conteúdos e publicidade, de alcance internacional e forte peso do digital, explicou.

Recorde-se que Michel Combes foi afastado em Novembro, quando o grupo pôs em marcha um plano para reduzir dívida e voltou a centralizar a direcção nos negócios em Drahi e nos seus homens mais próximos, como Dexter Goei e Armando Pereira.

O sinal de que era preciso pôr água na fervura desta mudança radical  da marca veio precisamente em Novembro, quando a empresa anunciou o plano para reduzir a dívida de 50 mil milhões de euros, vender activos (como o negócio grossista de voz internacional em Portugal, França e República Dominicana à Tofane, em fase de conversações exclusivas)e congelar aquisições.

Nesse momento Drahi admitiu, segundo o site francês Stratégies, que a mudança de marca da francesa SFR, prevista para o início de 2018, seria adiada até que se resolvessem os problemas operacionais da empresa, evitando custos com um processo dispendioso.  

Além das razões económicas que se prendem com o contexto actual do grupo, também é verdade que, num hipotético cenário de venda futura de operações, será mais fácil atrair compradores se o que estiver em cima da mesa forem efectivamente as marcas com elevados níveis de notoriedade nos seus mercados.

A gestão da Altice Portugal somou a este momento de “materialização local da marca global” Altice o anúncio de uma nova box de TV desenvolvida com recurso à engenharia da Altice Labs. Trata-se de uma box portátil wifi (sem fios), que permite aos clientes que a quiserem contratar (o aluguer são 7,5 euros, que comparam com os 5 euros mensais da box convencional) acederem aos conteúdos premium seja qual for a divisão da casa, explicou o administrador da Altice com o pelouro de consumo, João Epifânio.

O novo equipamento (que segundo a empresa garante mais velocidade e melhor imagem, mesmo para quem não tem uma televisão 4K) estará disponível para os clientes com os "tarifários mais sofisticados", a partir dos 200 mbps, e como opção para os clientes dos restantes pacotes que queiram fazer o upgrade.

O gestor também adiantou que os clientes da Meo passarão a ter “em breve” um novo interface do serviço que garantirá uma melhor experiência de utilização. A este novo interface, que segundo a Altice vem "humanizar o consumo de televisão", a empresa chamou Sofia. Para assinalar o momento, a Altice trouxe ao evento o robô Sophia, desenvolvido pela Hanson Robotics, que já tinha sido apresentado na Web Summit, em Novembro.

O auto-intitulado "robô mulher mais bonito do mundo" co-protagoniza com Cristiano Ronaldo (embaixador das marcas Altice) a nova campanha publicitária da Meo, que tem o mote "Meo Humaniza-te".