O sonho de tocar em todas as ilhas dos Açores vai tornar-se realidade para António Zambujo

Músico alentejano realiza digressão inédita por todas as ilhas do arquipélago.

Foto
Nuno Ferreira Santos

A ideia nasceu há um ano em conversa com o manager. António Zambujo tinha o desejo juntar os dois prazeres da sua vida, cantar e viajar. Agora, vê esse "sonho" concretizado. Em Maio, o músico alentejano vai tocar em todas as nove ilhas do arquipélago dos Açores. A digressão inédita foi anunciada esta terça-feira no Teatro Micaelense, em Ponta Delgada.

"Há traços comuns entre os açorianos e os alentejanos", defende o músico natural de Beja. A paisagem, apesar das diferenças, apresenta a natureza no seu estado mais puro, “o ideal para a inspiração”.

Para António Zambujo, esta digressão é a forma de levar as suas canções a outros públicos e de conhecer as particularidades da música açoriana. A solo, acompanhado pela sua guitarra, António Zambujo iniciará a digressão no Teatro Micaelense, em Ponta Delgada, a 2 de Maio, e terminará o seu périplo açoriano no dia 20 desse mês num local surpresa na ilha do Corvo, a mais pequena do arquipélago, com apenas 400 habitantes. Entre as duas datas, o músico passará pelas ilhas de Santa Maria (Clube Asas do Atlântico, dia 4), Faial (Teatro Faialense, dia 6), Pico (Auditório da Madalena, dia 9), São Jorge (Auditório Municipal, dia 11), Terceira (Centro de Congressos, dia 13), Graciosa (Centro Cultural Santa Cruz, dia 16), e Flores (Auditório do Museu da Baleia dia 18). Antes, em Abril, o músico vai fazer oito concertos nos Estados Unidos e no Canadá.

O último disco do músico de 42 anos, Até Pensei que Fosse Minha, foi lançado em 2016 – compunha-se de versões de temas de Chico Buarque, que participou na produção do trabalho. O álbum, que atingiu platina em Portugal, esteve nomeado para Grammy Latino de melhor álbum de música brasileira