Governo liberta três milhões para manutenção e reparação da Ponte 25 de Abril

Mais de 2,1 milhões de euros têm como destino a inspecção, operação e manutenção de equipamentos da ponte durante três anos. Uma verba menor (895 mil euros) destina-se a obras de reparação e conservação, a começar já este ano.

Foto
Rui Gaudencio

Quatro dias depois de ter sido notícia que a Ponte 25 de Abril, em Lisboa, necessita de obras urgentes, o Governo libertou quase três milhões de euros para a sua manutenção e reparação. O valor consta de duas portarias publicadas nesta segunda-feira em Diário da República em conjunto pelos ministérios das Finanças e do Planeamento e das Infra-estruturas.

Mais de 2,1 milhões de euros têm como destino a inspecção, operação e manutenção de equipamentos da ponte durante três anos, a cargo da Infraestruturas de Portugal (IP). Para 2019 estão destinados 989 mil euros, 905 mil euros para o ano seguinte e 210 mil para 2021.

E para que a IP lance o procedimento para a realização de trabalhos de reparação e conservação da ponte, o Governo aprovou uma verba de 895 mil euros, sendo que parte (quase 165 mil euros) se destina a este ano. Em 2019 devem ser gastos 365 mil euros, e em 2020 365 mil euros.

Na última edição, a revista Visão deu conta de um relatório do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), entregue ao Governo em Fevereiro, que alertava para a necessidade de haver “medidas urgentes” de reparação, ao serem detectadas “fissuras numa zona estrutural da travessia”. Os ministros Mário Centeno, das Finanças, e Pedro Marques, do Planeamento e Infraestruturas, devem em breve prestar esclarecimentos no Parlamento.

Segundo a revista, o Ministério do Planeamento e das Infra-estruturas reconheceu a gravidade da situação e remeteu para as Finanças, onde estavam bloqueadas as verbas necessárias para iniciar as obras.

O Governo reagiu, através da ministra da Presidência, garantindo que “está em bom ritmo” o processo do início das obras na Ponte 25 de Abril. Mais tarde, António Costa citou o próprio LNEC para afastar qualquer risco em termos de segurança na circulação na ponte: "Foi o presidente do LNEC que disse com toda a clareza que a ponte esteve segura, está segura e continuará a estar segura."

O ministério das Finanças, em comunicado, garantiu ainda que todos os pedidos de intervenção na ponte "foram atempadamente aprovados pelos ministérios competentes".

Também o presidente da Infra-estruturas de Portugal (IP) reagiu à notícia afirmando que a obra de reparação “não é urgente”, apesar de ser “prioritária”. Ainda este mês vai ser lançado o concurso público para a empreitada. Obras de reparação e conservação vão durar dois anos, com um custo base de 18 milhões de euros.