Theresa May acusa o Kremlin no envenamento de ex-espião

Primeira-ministra britânica ameaça Moscovo com sanções pela tentativa de assassínio de Skripal. Moscovo considera a intervenção de May um “espectáculo de circo”.

Fotogaleria
LUSA/NEIL HALL
Fotogaleria
LUSA/NEIL HALL

A primeira-ministra britânica, Theresa May, diz que é "altamente provável" que Moscovo seja responsável tentativa de homicídio do antigo espião russo Sergei Skripal na cidade de Salisbury através de um gás nervoso e que Londres não vai tolerar "uma tentativa tão descarada de matar civis inocentes" em território britânico.

Depois de presidir a uma reunião do Comité de Segurança Nacional, a primeira-ministra britânica deslocou-se ao Parlamento para actualizar os deputados sobre a investigação à tentativa de homicídio de Sergei Skripal. Aí, avisou que é necessário evitar especulação e que as autoridades apenas se regem pelas provas encontradas. Mas falou na possibilidade de novas sanções à Rússia, como aconteceu quando foi envenenado em Londres Alexander Litvinenko, outro ex-espião russo.

A porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, considerou a intervenção de May um “espectáculo de circo”, segundo cita a agência Interfax. "A conclusão é óbvia: é outra campanha de informação política, baseada numa provocação". 

O embaixador russo em Londres foi convocado para dar explicações, e a primeira-ministra prometeu regressar ao Parlamento quarta-feira, para dar conta do que apurou e, eventualmente, das retaliações contra a Rússia planeadas pelo seu Governo.

May revelou que o gás de nervos utilizado para tentar matar o ex-espião russo e a filha é de qualidade militar e é "com alta probabilidade" produzido pela Rússia. Ou seja, a primeira-ministra afirmou que ou Moscovo é responsável pelo envenenamento ou permitiu que a substância chegasse às mãos erradas.

"Existem apenas duas explicações plausíveis. Ou foi um acto directo pelo Estado russo contra o nosso país, ou o Governo russo perdeu o controlo da sua arma química, o que é potencialmente catastrófico, e permitiu que chegasse às mãos de outros", explicou May, acrescentando que este gás - chamado novichok, que pode cinco a oito vezes mais potente que o VX - faz parte da lista de armas químicas proibidas pelas Nações Unidas.

A governante disse ainda que o histórico de Moscovo relativamente a este tipo de situações faz com que seja “altamente provável” que sejam os russos que estejam por trás do crime.

"Acto contra o Reino Unido"

“Esta tentativa de homicídio utilizando um gás de nervos do calibre de armas numa cidade britânica não foi apenas um crime contra a família Skripal, foi um acto indiscriminado e irresponsável contra o Reino Unido, colocando as vidas de inocentes em risco", disse.

"Não vamos tolerar uma tentativa tão descarada de matar civis inocentes no nosso solo”, garantiu a primeira-ministra britânica.

“Temos agora de estar prontos a tomar medidas mais extensas. Na quarta-feira, vamos considerar em detalhe a resposta do Estado russo. Se não existir uma resposta credível, vamos concluir que este é um acto ilegal de uso da força do Estado russo contra o Reino Unido, e vamos regressar a esta Câmara e apresentar uma série de medidas que tomaremos em resposta”, declarou May.

Na semana passada, Sergei Skripal, de 66 anos, foi encontrado inconsciente juntamente com a filha, Iulia, de 33, num centro comercial na cidade de Salisbury. Estão ambos internados em estado crítico depois de terem sido expostos a um gás de nervos.

Skripal foi um espião russo que traiu vários agentes russos ao transmitir informações aos serviços secretos britânicos. Por isso, em 2006, foi condenado a 13 anos de prisão na Rússia mas foi libertado na sequência de uma “troca de espiões” entre Moscovo e Washington em 2010. Nessa altura conseguiu asilo no Reino Unido vivendo neste país desde então.

No dia em que foi envenenado, sabe-se que Skripal e a filha estiveram num restaurante e num bar antes de terem sido encontrados inconscientes no centro comercial. Nesta segunda-feira, as autoridades de saúde avisaram cerca de 500 pessoas que estiveram nesses locais para lavarem a roupa e os objectos que transportavam pois há o risco, ainda que reduzido, de terem sido contaminadas.

Um polícia, que foi o primeiro a chegar ao local onde Skripal se encontrava inconsciente com a filha, também ficou em estado grave, mas apresentou melhorias no seu estado de saúde nos últimos dias. Outras 20 pessoas tiveram de receber tratamento médico sem gravidade.

A investigação que se gerou na sequência desta situação foi sendo musculada e na sexta-feira Londres mobilizou o Exército para vasculhar a cidade de Salisbury. O principal foco da busca de provas tem sido a casa onde vive Skripal, mas também os locais onde esteve no dia do envenenamento foram encerrados.