Farfetch contrata JP Morgan e Goldman Sachs para prepararem entrada na bolsa

Contratação é noticiada neste sábado pelo Financial Times. A empresa fundada por José Neves não comenta.

Foto
A empresa emprega actualmente 2000 pessoas, 1500 das quais em Portugal fernando veludo n/factos

A empresa Farfetch contratou dois gigantes da banca, o JP Morgan e o Goldman Sachs, para prepararem a entrada em bolsa. A notícia foi avançada neste sábado pelo jornal Financial Times, que acrescenta que a oferta pública inicial (IPO, na sigla inglesa) será feita numa praça financeira nos EUA. Nem a Farfetch, cuja sede está em Londres, nem os bancos comentaram esta informação.

Sendo uma das poucas start-ups europeias avaliadas acima de mil milhões de dólares – as chamadas "unicórnio" – a Farfetch continua no radar dos investidores atentos aos mercados bolsistas. Depois de seis rondas de financiamento (a última das quais com destaque para a entrada de investidores asiáticos), que lhe permitiram angariar 562 milhões de euros, a empresa fundada há uma década pelo empresário português José Neves deu por terminado o processo de financiamento através de rondas privadas com investidores. Porém, até agora tem-se recusado firmemente em comentar publicamente quando, onde e como fará a entrada em bolsa. Uma das raras excepções foi precisamente numa entrevista de José Neves ao PÚBLICO, em 2016, na qual o empresário afirmou que apostaria na bolsa de Nova Iorque, sem contudo adiantar qualquer calendário.

Recentemente, depois de fechar um acordo com um dos maiores grupos de artigos de luxo do Médio Oriente, fonte oficial da empresa disse ao PÚBLICO que a ideia de entrar em bolsa em Nova Iorque era apenas isso, uma ideia, e que a empresa estava mais focada em garantir a consolidação das operações, dos mercados e da sua expansão. É nessa estratégia que se insere o passo anunciado a 1 de Fevereiro de estabelecer uma joint venture com o grupo Chalhoub, que abre as portas ao Médio Oriente. Em Junho de 2017, tinha unido forças com a chinesa JD.com, que assumiu um investimento de 356 milhões de euros na empresa que recentemente anunciou o seu quarto escritório em Portugal (num total de 13 em todo o mundo). Depois de Guimarães, Porto e Lisboa, a Farfetch vai assentar arraiais em Braga.

Segundo o Financial Times, a empresa continua a reforçar alianças, tendo fechado um acordo de distribuição com a britânica Burberry e uma parceria para iniciativas digitais com a casa francesa Chanel.

A empresa emprega actualmente 2000 pessoas, 1500 das quais em Portugal, disse nesta quinta-feira fonte oficial da empresa, que conta 11 escritórios em todo o mundo. No último trimestre de 2016, a média de idades da sua força laboral era de 32 anos. Em Inglaterra, a empresa relatou em 2016 um prejuízo de 34 milhões de libras (cerca de 38,8 milhões de euros). Os números de 2017 ainda não foram divulgados. A plataforma online da Farfetch agrega 530 boutiques de artigos de moda, que representam mais de 200 marcas topo de gama, em todas as geografias, e mais de 115 mil produtos únicos.