ONU diz que Duterte deve fazer testes psiquiátricos

Presidente das Filipinas ameaçou, no ano passado, “esbofetear” relatora especial das Nações Unidas sobre execuções extrajudiciais naquele país.

Rodrigo Duterte chegou à presidência das Filipinas em 2016
Foto
Rodrigo Duterte chegou à presidência das Filipinas em 2016 Reuters/EZRA ACAYAN

O Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Hussein, disse nesta sexta-feira que o Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, precisa de ser submetido a “testes psiquiátricos”.

“Os comentários do Presidente das Filipinas em relação à relatora especial das Nações Unidas sobre execuções extrajudiciais, Agnes Callamard, são inaceitáveis. Leva-me a pensar que o presidente Duterte necessita de ser submetido a testes psiquiátricos”, disse Zeid em conferência de imprensa, em Genebra.

Duterte ameaçou, no ano passado, “esbofetear” Agnes Callamard por ter afirmado que nas Filipinas tinham sido cometidas execuções extrajudiciais no contexto da guerra à droga e que resultaram em mais de sete mil mortes, de acordo com números divulgados por organizações não-governamentais.

“É absolutamente vergonhoso que o Presidente de um país fale desta maneira, utilizando a linguagem mais suja contra uma relatora que é altamente respeitada”, disse ainda Zeid Ra’ad Hussein.

O Presidente filipino disse que Callamard é “magra” e “subnutrida”, para além de ter descrito uma procuradora do Tribunal Penal Internacional (TPI) como “aquela mulher preta”. "Não me fodam, meninas", afirmou.

O TPI iniciou paralelamente os procedimentos legais para iniciar uma investigação a possíveis crimes contra a humanidade cometidos por Duterte durante a guerra contra o tráfico de droga.

De acordo com um senador da oposição, desde que Duterte chegou à presidência em 2016, já morreram mais de 20 mil pessoas na sequências das operações policiais contra o tráfico e consumo de droga nas Filipinas.