Ponte 25 de Abril necessita de obras urgentes

A revista Visão revela esta quinta-feira um relatório confidencial do LNEC na posse do Governo há seis meses. Desde então nada foi feito.

Infra-estruturas de Portugal têm vindo a pedir, há dois anos, uma intervenção
Fotogaleria
Infra-estruturas de Portugal têm vindo a pedir, há dois anos, uma intervenção Daniel Rocha
Técnicos detectaram fissuras graves na estrutura analisada
Fotogaleria
Técnicos detectaram fissuras graves na estrutura analisada Daniel Rocha

Investigadores do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) alertaram há seis meses o Governo para a necessidade urgente de obras estruturais na ponte Ponte 25 de Abril. Um documento confidencial do LNEC, a avisar para a extrema gravidade do estado da estrutura da ponte, é revelado na edição da revista Visão desta quinta-feira.

O Ministério do Planeamento e das Infraestruturas reconheceu, oficialmente, a gravidade da situação, escreve a revista e o documento foi remetido deste ministério para o Ministério das Finanças a quem foi solicitado o desbloqueamento das verbas necessárias para iniciar as obras.

Não houve resposta do ministério tutelado por Mário Centeno relativamente ao desbloqueamento das verbas. O caso foi detectado há três anos, revela ainda a Visão, que diz ainda que a empresa Infraestruturas de Portugal têm vindo a pedir, há pelo menos dois anos, uma intervenção, devido às fissuras graves na estrutura analisadas pelos técnicos. Desde então, a situação da ponte mais movimentada do país se foi degradando até ao alerta recente do LNEC.

Os pedidos de esclarecimento da Visão, como o de saber se o desbloqueamento de verbas de 20 milhões de euros estava pendente nas Finanças e quando era previsível haver uma decisão, ficaram sem resposta (até ao fecho da edição na terça-feira à noite) por parte do ministério de Centeno. 

Porém, na tarde de quarta-feira, quando a revista começava a ser distribuída aos assinantes, antes de chegar às bancas nesta quinta-feira, a Infraestruturas de Portugal anunciava obras, para os próximos dois anos, com um orçamento de 18 milhões de euros. 

PS, BE e CDS reagem

Nas primeiras reacções oficiais de partidos, transmitidas pela edição online da Visão, o deputado do PS André Pinotes Batista atribuiu a demora na decisão de avançar com as obras na ponte à "complexidade destes processos" que precisam de ser "articulados entre o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, a Infraestruturas de Portugal (IP) e o LNEC". O deputado eleito pelo círculo de Setúbal recusa que seja possível "desbloqueá-los do dia para a noite" e diz que "nenhum político quer ter uma morte na sua consciência". 

Sobre os alertas dos técnicos para a gravidade das fissura na ponte que liga os distrito de Lisboa e Setúbal, André Batista diz que nenhum documento ficaria "na gaveta" se a segurança das pessoas estivesse em causa. O CDS fez saber que vai chamar "com carácter de urgência" ao Parlamento o ministro do Planeamento, Pedro Marques, e o Laboratório Nacional de Engenharia Civil. 

A hipótese de chamar também Mário Centeno não está excluída. "Através das cativações, o ministro das Finanças está a levar o país para o colapso: temos de averiguar se neste caso a política de cativações voltou a vigorar", afirma o deputado centrista Hélder Amaral. 

Relativamente aos parceiros da coligação liderada pelo PS, Heitor de Sousa anuncia que o BE vai requerer o relatório e perguntar ao Governo "porque é que demorou tanto tempo" a tomar medidas. O PCP, até meio da manhã, não se tinha pronunciado.