Ele mergulhou e encontrou um mar de plástico

Rich Horner publicou o vídeo de um mergulho na Indonésia que quase se transformou numa campanha ecológica.

Fotogaleria
Fotogaleria

"As correntes oceânicas trouxeram-nos um lindo presente." Começa assim a mensagem de Facebook em que Rich Horner dá conta de um dos seus últimos mergulhos na Indonésia. Para além de medusas, plâncton, folhas e ramos, o mergulhador encontrou "algum plástico", uma ironia que se traduz num mar de plástico: "Garrafas de plástico, copos de plástico, folhas de plástico, baldes de plástico, saquetas de plástico, palhas de plástico, cestos de plástico, sacos de plástico, mais sacos de plástico, plástico, plástico, muito plástico!"

O cenário fica em Nusapenida, em Bali, província da Indonésia. Latitude: -8.7934, Longitude: 115.5271. "É um sítio lindo", sublinha Rich Horner, que ("surpresa, surpresa") não encontrou nesta zona poluída muitas mantas, uma espécie que chega a fazer sombra nestas águas.

Às tantas, o vídeo parece um jogo de computador — nível avançado — em que o mergulhador tem que evitar os muitos obstáculos. Munido de um selfie stick, Rich chega a nadar junto à superfície, com uma "rede" de plástico e galhos.

PÚBLICO -
Foto

"No dia seguinte, o que as correntes trouxeram, as correntes levaram", escreve. "Os mergulhadores que hoje foram ao Manta Point relatam que não viram nenhum plástico/lixo. Óptimas notícias para as mantas, mas, infelizmente, o plástico continua a sua jornada rumo ao Oceano Índico, dividindo-se lentamente em pedaços menores e menores, em microplásticos. Não irá desaparecer."

"Isto é normal?", lê-se no post do dia 3 de Março (com mais de 24 mil partilhas) usado para responder a algumas questões que o vídeo possa suscitar. "Não! Infelizmente vemos algumas nuvens de plástico e plástico aleatório o tempo todo durante a estação das chuvas. Nunca vi nada com esta escala", responde o autor do vídeo, fazendo uma separação clara entre aquilo que é natural e o que não é.

Porque é que há tanto plástico num só sítio? Como é que o plástico chegou até aqui? Para onde é que ele vai? Não podemos recolher/limpar o plástico do oceano? Deixar de usar sacos de plástico e palhinhas impede que isto aconteça? Rich Horner, impotente, procura responder a tudo.