Alunos e famílias não acreditam que estudar compense

Estudo pedido pelo Governo mostra que os portugueses estão pouco informados sobre a oferta e os apoios existentes. Persistem as expectativas negativas relativamente ao retorno de uma qualificação superior.

Foto
Nelson Garrido

As bolsas de acção social, os cursos superiores profissionais e as diferentes modalidades de entrada no ensino superior são realidades que passam ao lado de muitos estudantes e famílias. As conclusões são de um estudo encomendado pela Direcção-Geral do Ensino Superior (DGES) e levam a sua autora, Diana Aguiar Vieira, que é investigadora e pró-presidente do Instituto Politécnico do Porto, a afirmar que os portugueses “não conhecem o ensino superior”.

O estudo Determinantes e Significados do Ingresso dos Jovens no Ensino Superior destina-se a perceber os factores que facilitam ou inibem a entrada dos alunos em cursos universitários ou politécnicos. Para o trabalho foram ouvidos os próprios estudantes, sobretudo do ensino secundário. Um exemplo paradigmático da falta de conhecimento são os cursos técnicos superiores profissionais — formações profissionalizantes de dois anos, ministradas em exclusivo no ensino politécnico, criadas em 2014 pelo Governo anterior. Mesmo que sejam “ainda recentes” na oferta das instituições, Diana Aguiar Vieira estranha que a população em geral “não os conheça”. “Não sabem que é uma oferta”, sublinha.

E, no entanto, os cursos técnicos superiores profissionais (Tesp, na sigla usada pelas instituições de ensino) podiam ser “extremamente interessantes para aqueles alunos que querem um ensino mais pragmático e profissionalizante”, constituindo uma resposta para os jovens do ensino profissional não superior — muitos dos quais não prosseguem estudos.

A pró-presidente do Politécnico do Porto sugere, por isso, que os Tesp sejam integrados no concurso nacional de acesso ao ensino superior, através do qual os estudantes podem actualmente concorrer apenas a licenciaturas e mestrados integrados.

As candidaturas aos Tesp são feitas directamente a cada uma das instituições que os oferecem, com regras que podem divergir de caso para caso. Incluí-los no concurso nacional de acesso seria uma forma de “aumentar a sua visibilidade no conjunto de opções para o prosseguimento de estudos após o 12.º ano”, afirma Diana Vieira. A solução permitiria ainda “a percepção inequívoca por parte da população de que estes cursos são de nível superior”, sustenta, em declarações ao PÚBLICO.

Barreiras financeiras

A investigação permitiu também perceber que os estudantes estão pouco informados sobre os modos de acesso ao superior alternativos ao concurso nacional — como os concursos locais ou o contingente para maiores de 23, além dos próprios Tesp —, bem como sobre os apoios existentes por parte do Estado para quem estuda nas universidades e politécnicos, como as bolsas de Acção Social destinadas aos alunos de famílias com menores rendimentos ou as residências universitárias.

Em resposta a este défice de informação, no estudo encomendado pela DGES propõe-se a criação de uma campanha nacional de divulgação do ensino superior, tendo por alvos principais os estudantes e as suas famílias, capaz de mostrar “casos de sucesso que explicitem as vantagens de uma qualificação de nível superior” e usando especialmente os meios de comunicação digitais, de modo a chegar a um público mais jovem. É que a falta de conhecimento sobre a realidade do ensino superior está “estritamente associada” a um fenómeno de “indecisão vocacional”, que se traduz na dificuldade em definir objectivos por parte dos alunos, explica ainda Diana Aguiar Vieira. O desinteresse por estudar, muitas vezes associado a desempenhos escolares mais fracos, ou à crença na incapacidade de realizar com sucesso um curso, estão ligados ao desconhecimento da oferta existente.

Diana Vieira detectou também a persistência de “expectativas negativas” em relação ao retorno do investimento numa qualificação de nível superior como um factor “inibidor” do prosseguimento de estudos após o 12.º ano. “Foi algo muito salientado pelos participantes. Mantém-se a ideia de que não vale a pena tirar um curso”, sustenta. E, no entanto, de acordo com o relatório Education at a Glance, de 2017, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), os portugueses com o ensino superior ganham, em média, mais 69% do que aqueles que têm apenas o ensino secundário, um dos valores mais altos de todos os países que participam nesse estudo. Em média, na OCDE, o prémio salarial é de 54%.

As “barreiras financeiras” são igualmente um dos obstáculos que merecem destaque por parte dos participantes no estudo pedido pela DGES: salientam os custos do pagamento das propinas, alojamento, transportes e alimentação como centrais na decisão de prosseguir ou não estudos. A autora defende, por isso, um “maior apoio financeiro aos estudantes e às suas famílias”, com um aumento quantitativo das bolsas, disponibilização das mais residências e reforço das bolsas de mérito.

Para este trabalho foram ouvidos 1091 estudantes, sobretudo do ensino secundário, mas também do 1.º ano do ensino superior, através de grupos de discussão, grupos focais e perguntas abertas em questionários. A intenção era recolher “dados qualitativos” que permitissem uma leitura que vá para além das estatísticas — por exemplo, as que demonstram que 45% dos estudantes que neste momento frequentam o secundário estão no ensino profissional e, destes, 85% não prosseguem estudos para o superior. “Sabemos isto, mas não sabemos por que acontece. Importava ouvir os alunos”, diz Diana Aguiar Vieira.

Foram ainda inquiridos 292 profissionais entre psicólogos das escolas do 3.º ciclo e secundário e os responsáveis pelo contacto com as escolas dentro dos gabinetes de comunicação das universidades e politécnicos.