Exames inibem alunos do profissional de prosseguirem estudos

Estudo encomendado pela DGES volta a identificar problema a que a OCDE já tinha feito referência. Governo vai mudar a lei.

Foto
Rui Gaudêncio

Não é uma conclusão surpreendente, como é reconhecido pela própria autora, mas o estudo de Diana Aguiar Vieira aponta o modelo de acesso ao ensino superior como um dos obstáculos aos alunos do ensino profissional para o prosseguimento de estudos. É preciso mudar as regras, defende a investigadora do Instituto Politécnico do Porto.

O estudo Determinantes e Significados do Ingresso dos Jovens no Ensino Superior lembra que há disciplinas que são objecto de exames nacionais (necessários para aceder ao superior) que não constam dos currículos de alguns cursos profissionais e outras que, ainda que tendo o mesmo nome, têm conteúdos diferentes dos que são leccionados aos alunos do ensino científico-humanístico.

Entre os 1091 alunos inquiridos, “todos os que relatam não pretender prosseguir estudos de nível superior frequentam cursos profissionais”. A autora defende, por isso, uma mudança no sistema de acesso, de forma a levar mais estudantes do ensino profissional para as universidades e politécnicos.

Também o Governo já propôs uma revisão das regras de acesso ao superior para estes alunos. No projecto que foi conhecido em Setembro, mas que ainda não foi aprovado em Conselho de Ministros, estipula-se que os estudantes do ensino profissional que pretendam prosseguir estudos no superior já não terão de fazer três exames, mas apenas um que funcionará só como prova de ingresso para o curso que escolherem. Deste modo não contará para o cálculo da classificação final do ensino secundário. Na fórmula de cálculo para o acesso a uma universidade ou politécnico a média final do secundário tem um peso de 50%. E a contribuição dos exames para esta média é relevante.

A investigadora defende que as mudanças devem ir mais longe e estender-se também à própria organização do calendário lectivo no ensino profissional. Razão: na altura em que os estudantes dos cursos científico-humanísticos já estão a preparar-se para os exames nacionais, os colegas dos profissionais ainda estão em estágio ou a fazer a prova de aptidão profissional — último momento de formação, obrigatório para todos — o que os impede de preparar convenientemente os exames.

Já sobre a proposta apresentada neste estudo de que se realize uma campanha nacional de divulgação do ensino superior, o Ministério do Ensino Superior fez saber ao PÚBLICO que tem em curso a campanha “Estudar mais é preciso” no âmbito da qual será realizada, no próximo mês, a Futurália 2018, uma iniciativa de divulgação da oferta de cursos que pretende pôr os jovens que estão em vias de concluir o secundário a avaliar as suas opções de prosseguimento de estudos.