David Miller

“As fake news são dominadas pelos governos ocidentais e pelas multinacionais”

Estudioso dos caminhos nem sempre óbvios da comunicação nos corredores do poder, David Miller afirma que existe hoje “uma verdadeira indústria de investigação na ‘radicalização’”. Para si, a influência russa nas eleições dos EUA é uma “confecção bizarra” e um “escândalo” que “ficará registado como a menos significativa história de corrupção e maquinação política” dos EUA

Foto
David Miller DR

David Miller é professor de Sociologia na Universidade de Bath do Reino Unido. Especializou-se no estudo do papel central que a comunicação detém nas relações de poder nas sociedades contemporâneas. É autor de A Century of Spin: How Public Relations Became the Cutting Edge of Corporate Power (2008) e, mais recentemente, tem investigado a constituição dos saberes e o papel dos “especialistas” associados à questão do terrorismo.

Historicamente, a fronteira entre relações públicas (RP) e propaganda foi pouco nítida. Como se criou essa distinção?
O termo propaganda foi usado por referência a actividades em tempo de guerra, mas foi claro para muitos dos pioneiros da indústria de RP que estiveram activos na guerra de 1914-1918 que poderia desempenhar um papel em tempos de paz. O problema foi que a propaganda passou a ter uma reputação negativa precisamente devido ao seu papel na guerra. Foi isto que fez com que Bernays, um dos principais fundadores do ofício, criasse o termo de relações públicas como um termo de RP para propaganda! É bem conhecido que o termo propaganda tem origem na criação, em 1622, pelo Papa Gregório XV, da Sacro Congregatio de Propaganda Fide. A sua missão era converter os não-crentes, “propagar” a fé. A ideia de propagar certo estado de coisas faz do termo propaganda mais adequado que qualquer dos termos alternativos que foram professados após a palavra ter adquirido uma má conotação no século XX.

O spin tem uma história que não se confina à arena política. Ele pode também ser a quintessência da economia transnacional. O spin da globalização e a globalização do spin não são fáceis de dissociar. Porquê?
Algum do meu trabalho mais remoto tentava perceber quais as razões por trás da ascensão da indústria de RP nas décadas de 80 e 90. A criação desta indústria foi uma resposta da classe dos negócios ao crescimento de uma classe trabalhadora organizada e às reivindicações associadas em relação ao sufrágio universal. A indústria expandiu-se por relação com os pontos-chave de conflito entre o poder económico e a esquerda, tanto nos EUA como no Reino Unido. As RP e as práticas que lhe estão associadas, como o lobbying, tornaram-se transnacionais pelas mesmas razões e em parte para olear a engrenagem da globalização dos negócios. A chave para compreender isto passa por olhar para a ascensão do neoliberalismo a partir dos anos 70. Com o objectivo de transferir recursos, então sob alguma forma de controlo democrático, para o sector privado, argumentou-se que a propriedade pública era ineficiente. Este argumento foi criado por uma série de think tanks apologistas do mercado livre financiados pelo poder económico e inspirados na Mont Pelerin Society. As RP foram fundamentais na privatização e, a partir do momento em que a indústria estava no sector privado, houve um aumento exponencial das possibilidades e necessidades dos profissionais das RP desenvolverem novos interesses sectoriais das empresas que representavam. Este processo foi inicialmente nacional, mas tornou-se crescentemente transnacional à medida que as companhias se globalizaram e, mais tarde, também quando os sistemas de governance passaram pelo mesmo. O aumento enorme de lobistas em Bruxelas seguiu-se à criação de um mercado único.

As relações públicas desempenharam um papel fundamental na constituição de memórias colectivas. Como é que a sua história pode propiciar novos debates sobre o nosso passado?
A noção de uma memória colectiva é fundamentalmente uma noção contestada. Durante a maior parte do tempo, existe uma versão “oficial” que é dominante e que fornece as crenças operacionais das elites políticas e do Estado. Mas é igualmente contestada por memórias colectivas de sentido contrário que emergem de lutas populares e democráticas. Para pegar num exemplo do Reino Unido particularmente pernicioso, os “valores britânicos” têm sido hoje mobilizados pelo aparato de contra-terrorismo do Estado e pelos seus apoiantes nos movimentos sociais conservadores. Os “valores britânicos” devem ser “promovidos activamente” em todas as escolas ao abrigo do Education Act (2002) e  sob os auspícios do Counter Terrorism and Security Act (2015) todos os organismos públicos devem “impedir” as pessoas de serem atraídas para o terrorismo, que é associado ao “extremismo”. Este termo nebuloso é definido pelo Governo como “explícita ou activa oposição aos valores britânicos, incluindo a democracia, a rule of law, liberdade individual e mútuo respeito e tolerância por diferentes fés e crenças”. Qualquer pessoa minimamente atenta às notícias no período da “War on Terror” devia estar ciente de que o Estado britânico nunca foi um amigo da democracia no Iraque, no Afeganistão, na Síria e em muitos outros sítios. 

Escreveu uma das mais reveladoras e pertinentes histórias das operações de spin e propaganda que levaram à segunda guerra no Iraque. Quais as suas principais características?
A guerra do Iraque foi “vendida” numa base falsa: a de que Saddam Hussein era uma ameaça para o Ocidente, que tinha armas químicas ou estava apostado em tentar desenvolvê-las. O logro foi multidimensional, da alegação de que o sequestrador do 11 de Setembro, Mohammed Atta, se tinha encontrado com membros dos serviços secretos iraquianos, passando pela alegada compra de urânio ao Níger e as fotografias de laboratórios químicos móveis até ao “apimentar” do dossier do governo britânico. Envolveu múltiplos serviços de informação e espionagem, todos eles dedicados a tentar legitimar o que de outra forma seria visto como aquilo que o procurador-geral norte-americano no tribunal de Nuremberga, Robert H. Jackson (1892-1954), descreveu como “o supremo crime internacional, que se distingue de outros crimes internacionais na medida em que contém em si o mal acumulado como um todo”.

Qual a ligação deste episódio com o presente?
Isto é particularmente importante porque a lição retirada por aqueles então no poder foi de que o engodo era um instrumento político útil. Por isso, quando se tratou da legitimação da intervenção desastrosa na Líbia, em 2011, o público britânico foi ludibriado sobre a dimensão da ameaça às populações civis. Um relatório comprometedor de um comité parlamentar sobre o tema acabou de facto com a carreira parlamentar do primeiro-ministro David Cameron em 2016. Como é descrito por uma fonte, o comité “concluiu que a acção “não se baseou em informação fidedigna”; que a ameaça para os civis foi exagerada; e que a oposição a Kadhafi continha “um elemento islamita significativo”.

PÚBLICO -
Foto
Para Miller, a guerra do Iraque foi “vendida” numa base falsa: “a de que Saddam Hussein era uma ameaça para o Ocidente, que tinha armas químicas ou estava apostado em tentar desenvolvê-las”

E no caso premente da Síria?
Uma das lições retiradas após os desastres do Iraque e da Líbia, e a que foi dado bom uso na Síria, foi o de que se existe oposição à guerra, e cepticismo face às denúncias de atrocidades, então a melhor forma de os contornar passa por organizar acções encobertas – por outras palavras, disfarçar a acção que é tomada e criar confusão acerca das forças que o Ocidente apoia. Na Síria, os EUA e o Reino Unido apoiaram a oposição ao regime de Assad e os britânicos foram ao ponto de financiar e gerir os gabinetes de comunicação dos grupos rebeldes sírios por via da Home Office Research Information and Communications Unit. Estes são apresentados como a oposição “moderada” ao regime de Assad, mas como o antigo embaixador britânico na Síria, Peter Ford, sublinhou, a oposição moderada em 2013 era “em grande medida produto da imaginação”.

Até que ponto a investigação feita no seio da academia em temas como o terrorismo ou a “defesa nacional”, entre outros, pode resistir à contaminação por interesses relacionados com agências governamentais ou sectores específicos (como o militar)?
O mundo académico não tem sido imune às pressões relacionadas com dinâmicas de marketing inauguradas com o neoliberalismo. Isto traduziu-se numa proporção decrescente de financiamento da investigação proveniente dos impostos e avaliação pelos pares e por uma crescente pressão para obter financiamento externo, incluindo dos sectores militar e privado. Este cenário foi acompanhado por uma forte pressão ideológica para que os académicos se adaptem às prioridades do estado securitário. Um exemplo óbvio: hoje existe uma verdadeira indústria de investigação na “radicalização”, um conceito primeiramente aplicado à questão do terrorismo pelo establishment securitário em meados da primeira década do século e que não se funda em nenhuma tradição intelectual substantiva. De forma crescente, as próprias agências de segurança financiam a investigação directamente. No Reino Unido existe um centro de investigação (The Centre for Research on Emerging Security Threats) que foi criado através da injecção de 4,35 milhões de libras proveniente dos serviços de informação e secretos britânicos. O problema potencial deste tipo de financiamento é que enviesa os temas sobre os quais os académicos se debruçam, mas ainda mais importante é o secretismo que lhe está associado.

As fake news estão longe de ser uma novidade. Existe alguma diferença significativa na forma como o problema se manifesta hoje, para além daquelas introduzidas pelas revoluções nas tecnologias de comunicação e nas redes sociais?
As fake news – ou seja, a prática de inventar notícias ou disfarçar as suas fontes – não são novas. Escrevi sobre isso durante algum tempo. Por exemplo, em 2006 escrevi uma peça no Guardian: “The propaganda we pass off as news around the world” sobre um serviço noticioso televisivo financiado pelo governo britânico. Vale a pena notar que aqueles que providenciaram fake news foram governos ocidentais e que tanto o governo britânico como norte-americano continuam hoje a disseminar material que é “fake”, tanto no sentido de que é enganador ou no sentido de que o papel dos estados na criação de organizações de informação ou no movimento “de base” que aparentemente está a fornecer a história é disfarçado.

Pode dar um exemplo?
Um exemplo é a organização pelos direitos das mulheres Inspire, cuja campanha #MakingAStand foi revelada em documentos que acabaram por se tornar públicos. É um “produto” da unidade de propaganda do Home Office do Governo. 

E o debate sobre o assunto nos dias que correm?
Num certo sentido as fake news são realmente novas. Se considerarmos o termo como um dispositivo retórico despojado de qualquer conteúdo real, que é usado para atacar a esquerda, os media alternativos e encorajar a russofobia, então vemos algo de novo. Fake news – a real prática do engano – são dominadas pelas actividades dos governos ocidentais (especialmente dos EUA e do Reino Unido) e pelas multinacionais. O uso retórico do termo “fake news” é em grande medida mobilizado por facções da elite na tentativa de aumentar o seu poder e influência, para desferir ataques contra a esquerda e favorecer fins geopolíticos particulares, incluindo a preocupante russofobia que vemos hoje em todo o lado. É assim que temos a confecção bizarra do “Russiagate, um escândalo que provavelmente ficará registado como a menos significativa história de corrupção e maquinação política na história norte-americana.

Os autores da série História(s) do Presente são investigadores do Centro de Estudos Sociais — Universidade de Coimbra.

Através da revisitação crítica de 12 livros, ao longo de 12 meses, a série História(s) do Presente recupera um conjunto de processos históricos que modelaram inequivocamente o nosso presente. Da longa persistência de modelos de organização concentracionária em “campos” durante o século XX, à recorrente ameaça, proveniente de vários sectores, sobre os fundamentos racionais do conhecimento, passando pelas preocupações relativas ao crescimento demográfico ou à sustentabilidade do planeta, a série oferecerá ao leitor uma visão mais poliédrica dos passados que construíram o mundo como o conhecemos hoje. Para acompanhar sempre no primeiro domingo de cada mês, no P2, caderno de domingo do PÚBLICO