“Tenho muitas saudades de tempos antes do meu tempo”

Com uma carreira de quase 30 anos, Luís Sequeira viu o seu trabalho reconhecido este ano, com o filme A Forma da Água. O designer de guarda-roupa foi nomeado para os principais prémios de Hollywood, incluindo os Óscares.

Luís Sequeira esteve no almoço para os nomeados a Óscar, em Los Angeles
Foto
Luís Sequeira esteve no almoço para os nomeados a Óscar, em Los Angeles Getty/ Steve Granitz

Com 13 nomeações, A Forma da Água está entre a maioria das listas de previsões para Óscar de melhor filme. A Vox chama-lhe uma “ode romântica e forma clássica de fazer filmes” e a Deadline sublinha que, de todos os nomeados, é aquele “que verdadeiramente tem a paixão pelo que os filmes foram outrora e que ainda podem ser”. De acordo com alguns críticos, é maior a probabilidade de que o Óscar de melhor guarda-roupa seja entregue ao filme Linha Fantasma. Ainda assim, o facto de A Forma da Água ter ganho a distinção do Costume Designers Guild Awards na categoria de filme de época – o enredo acontece nos anos 1960, em plena Guerra Fria, nos Estados Unidos –, pode ser um sinal a favor de Luís Sequeira.

Filho de pais portugueses, o designer nasceu no Canadá. As férias de Verão passava-as em Portugal, onde ainda tem casa, perto de Aveiro. Começou a carreira no mundo da moda, teve uma loja em Toronto, onde vendia roupa de jovens criadores, e um dia entrou-lhe um grupo em busca de peças para um filme. Sequeira aceitou o convite para visitar o set e apaixonou-se pela arte de contar histórias através do guarda-roupa. Nunca mais olhou para trás.

Na carreira de quase três décadas, já trabalhou em dezenas de produções, como Carrie e Mamã, e há uns anos cruzou-se com Guillermo del Toro, na produção da série de terror The Strain. Um dia depois do regresso de Londres – onde foi para assistir à entrega dos prémios BAFTA – o designer de guarda-roupa falou com o Culto sobre o seu trabalho mais recente.

Prefere falar em inglês ou português?
Vou tentar em português. Acho que quando sou entrevistado por portugueses em inglês a conversa fica um pouco seca.

Em casa, com os seus pais, falava português?
Sim, falava sempre em português. Andei na escola portuguesa no Canadá. 

PÚBLICO -
Foto

E comiam comida portuguesa?
Claro! Bacalhau, arroz doce… todas essas comidas gostosas de Portugal.

Como surgiu a primeira interacção com o cinema?
Tinha uma loja pequenina, com um atelier atrás, e vendia roupa de novos criadores de Toronto. Entraram umas pessoas que estavam a trabalhar em cinema e queriam algumas roupas. Era novinho, tinha 23 ou 24 anos. Disseram-me "tens de vir ver o filme". Eu fui ver o estúdio e fiquei apaixonado. Sempre gostei de filmes, mas nunca pensei que iria trabalhar em cinema. Mas mesmo na moda estava a ficar um bocadinho farto, [sentia que] não havia muito convívio. É preciso uma aldeia para fazer um filme. Então, arranjei um trabalho de trainee numa série. Era para ser só seis semanas, mas trabalhei 12. Eles não me queriam largar. Fizeram-me membro do sindicato e trabalhei com a equipa da série Sexta-Feira 13.

Quais foram alguns dos momentos mais interessantes do projecto A Forma da Água?
Este trabalho é claramente o pico da minha carreira. Já trabalhei com o Guillermo [del Toro] algumas vezes. Isto foi um projecto que começámos, fizemos e acabámos juntos. Um dos momentos mais interessantes para mim foi começar a coleccionar tecidos e peças da época [anos 1960] que queria ter no filme. Fomos a Nova Iorque, Los Angeles, Montreal, Toronto... Fizemos quase toda a roupa dos actores principais. Muitas vezes, num filme de época, é tudo alugado. Para este filme, queria mesmo desenhar e fazer [a roupa], porque nunca me sinto confortável com uma única peça. Já trabalhei com roupa de época que começa a romper [durante as filmagens] e é um horror. Numa peça de época, o tecido já está fraquinho e neste filme as pessoas não tinham muita roupa, então essa tinha de ter qualidade para chegar ao final das filmagens.

Com um limite de orçamento e de tempo, é complicado fazer tudo de raiz?
Nós fizemos tudo dentro da equipa e fomos muito rápidos. Temos experiência a fazer séries de televisão, então fazemos a roupa rapidamente.

Costuma trabalhar com a mesma equipa?
Sim, eu tenho uma equipa com quem já trabalho há mais de 20 anos. Algumas pessoas foram novas, mas poucas. Gosto de trabalhar com as mesmas pessoas, porque posso dizer poucas palavras e elas já sabem o que eu quero, as cores que estou a ver, já sabem o corte…

Quantas pessoas tinha na equipa?
No departamento tínhamos talvez 12 pessoas principais. E depois mais oito [assistentes].

O processo criativo na moda é muito diferente do de um designer de guarda-roupa?
Já trabalhei em moda, por isso fazer roupa já não é uma coisa esquisita. O que gosto no cinema é que a pessoa tem mesmo de pensar no mundo das personagens. Podem ser ricos, podem ser pobres, podem começar ricos e ficar pobres, podem ser felizes e ficar infelizes... Eu gosto mais destes pormenores, de propor o arco narrativo das personagens. Não estou a tirar nada à moda, é um trabalho importante, mas gosto mais de fazer filmes, criar um mundo, criar uma história.

Olha, então, para o seu percurso na moda como algo que lhe deu as ferramentas necessárias para o trabalho actual?
Deu-me uma base boa. Há outros designers de guarda-roupa que não têm a liberdade de fazer a roupa. Eu trabalhei em todas as posições de base, para aprender. Mesmo depois de desenhar mais de dez anos tive um filme em que perguntaram se eu queria ser ajudante do designer [de guarda-roupa], nos Estados Unidos, e eu disse "pois claro, por que não?". Foi fantástico, porque vim já com muita experiência, mas também pude ver como um designer dos Estados Unidos trabalha: como é o processo criativo e como lidam com os produtores. E é isso que digo a designers mais novos. Toda a gente quer ser designer de guarda-roupa [responsável pelo departamento] de imediato e eu acho que isso é uma onda que quanto mais depressa sobe, mais depressa pode descer.

É uma forma de conhecer todas as fases de produção...
Já estou a fazer isto há 30 anos e estou sempre a aprender. Quando achar que já não aprendo vou ter de encontrar outra coisa para fazer. É preciso ter a mente aberta, o coração aberto, os olhos abertos.

Que tipo de histórias é que mais gosta de contar?
Vejo sempre o guião para contemplar se é uma história que quero contar. Algumas não são uma coisa que quero fazer: às vezes é [uma história] muito violenta, às vezes não entendo mesmo a relevância do projecto. Nós trabalhamos muito e a vida é curta. Não poderia a mesma força criativa num projecto quando não acredito na história.

Tem alguma história concreta que já quis contar?
Tenho um livro de Robert Wilson, chamado A Litte Murder in Lisbon, que é uma história do presente, mas também vai ao tempo do Salazar durante a [Segunda] Guerra Mundial. Fala sobre como Portugal estava no meio dos dois lados. Eu li e disse "isto fazia um filme fantástico". Não porque é de época e porque é um bom livro, mas também tinha orgulho de fazer uma coisa que conta a história de Portugal. Talvez não seja a época mais bonita, mas acho importante nós – eu também sou português – sabermos o que aconteceu nesse tempo. Acho muito interessante que Portugal, no meio da [Segunda] Guerra, o Salazar tinha uma maneira de ter os dois lados – ingleses e alemães – na cama. Não vamos entrar em política, porque sei que é um tema quente, mas o livro é fantástico.

Quando leu?
Talvez há uns oito anos. E é um livro que já emprestei a amigos. Já falei com produtores para tentar fazer um filme.

O que é que disseram?
O feedback é bom, agora não sei o que virá. Gostava muito de fazer um filme de época em Portugal. Tenho muitas saudades de tempos antes do meu tempo. Portugal tem uma história muito interessante e fico contente agora que está a ser uma época de ouro. Há muitos anos que sabia que Portugal era fantástico, agora o mundo é que está a ver isso.

Agora que é um nomeado (potencial vencedor) a Óscar, sente que tem peso para empurrar para a frente um projecto desses?
Bem, é o que eu espero, vamos ver. Não tenho uma bola de cristal para ver o meu futuro. Sou uma pessoa do Canadá, sou também português, e, na indústria [de Hollywood] de Los Angeles, sou uma pessoa de fora. É bom ser nomeado, ter o meu nome lá, e talvez dar mais hipótese a outros projectos interessantes.

Já sente alguma diferença?
Bom, tenho de dizer que nunca tive tantos telefonemas e pedidos de entrevista, o que é fantástico. Fico muito agradecido. Mudei agora de agência. Tenho investido muito na minha carreira e fico muito agradecido pelo reconhecimento, porque acho que vai dar-me mais oportunidades.

Que outros autores ou obras em português ou sobre Portugal já leu?
Tenho sempre fome de saber como é a cultura portuguesa. No Canadá posso ver televisão portuguesa, mas não é o mesmo. Pode ser o Gato Fedorento, pode ser um livro, pode ser um filme, música. Tenho casa numa aldeia perto de Aveiro. Acho que é parte da minha alma.

Vai a Portugal com frequência?
Normalmente vou duas vezes por ano e passo dois meses de cada vez. É quase um terço do ano que estou em Portugal.

PÚBLICO -
Foto