Câmara de Tomar pede urgência na identificação da origem da poluição no Nabão

Agência Portuguesa do Ambiente esteve no terreno. Autarquia diz que descargas poluentes no rio em momentos de aumento de caudal têm sido "recorrentes".

Foto
Daniel Rocha

A presidente da Câmara Municipal de Tomar disse nesta sexta-feira à Lusa que pediu uma audiência com carácter de urgência ao ministro do Ambiente porque os episódios de poluição no rio Nabão se repetem "há vários anos e urge identificar as suas origens".

Anabela Freitas disse à Lusa que as descargas poluentes no rio em momentos de aumento de caudal têm sido "recorrentes", tendo a situação ocorrida na quinta-feira sido "por demais evidente", pela dimensão que assumiu durante o dia e pelo agravamento registado à noite.

A autarca disse à Lusa que a poluição não é nesta sexta-feira tão visível, porque devido à subida do caudal do rio foram abertas as comportas, adiantando que o próprio município recolheu amostras para análise num laboratório certificado e que, depois da queixa apresentada junto da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), esta enviou igualmente inspectores para o terreno.

Para Anabela Freitas, "é preciso actuar de uma vez por todas", sob o risco de destruição de um recurso "que é de todos nós".

Em resposta à Lusa, fonte do Ministério do Ambiente afirmou que uma equipa da APA esteve de manhã no local a recolher amostras de água e de espuma e que inspectores deste organismo fizeram "duas acções de fiscalização" a duas estações de tratamento de águas residuais (ETAR) urbanas.

Queixas antigas

Os episódios de poluição no Nabão têm originado, desde o início de 2017, pedidos de esclarecimento ao Ministério do Ambiente por parte dos vários partidos políticos, tendo o Partido Socialista entregado hoje nova questão no parlamento.

Numa pergunta que tem como primeiro subscritor o deputado tomarense Hugo Costa, o PS questiona o Ministério do Ambiente sobre este episódio mais recente e sobre que medidas foram ou vão ser tomadas.

"O rio Nabão é um recurso hídrico que está intrinsecamente ligado ao concelho de Tomar. Nos últimos tempos, têm sido observados e denunciados vários focos de poluição neste rio, situação que merece a preocupação da população de Tomar e dos seus autarcas, sendo uma causa transversal à sociedade tomarense", refere o requerimento.

A pergunta junta-se à que foi apresentada no final de Janeiro pelo Partido Ecologista os Verdes, depois de uma visita ao rio Nabão e à ribeira de Seiça, numa altura em que parte do rio apresentava "sólidos suspensos" e "espuma concentrada".

A ETAR situada junto à ribeira de Seiça, na freguesia da Sabacheira, tem sido apontada como eventual fonte de poluição, tendo Anabela Freitas dito nesta sexta-feira que foi feita uma visita a montante e a jusante desta estrutura situada no concelho mas pertencente ao município vizinho de Ourém. Contudo, há outros locais de descarga, sendo várias as origens possíveis, pelo que apelou à sua identificação célere.