Ípsilon

Diogo Baldaia

Quando tudo falha, temos sempre o corpo

Tem posto os filmes a falar com gestos. Quando tudo parece acabar num suspiro, tudo pode recomeçar com um toque. Com três curtas premiadas, é certo que o vamos encontrar lá à frente.