Portugal lidera aliança para a descarbonização dos transportes

Secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes, quer resposta estruturada entre países, cidades e empresas, aos desafios das alterações climáticas.

Primeira reunião da TDA decorreu nos últimos dias em Matosinhos
Foto
Primeira reunião da TDA decorreu nos últimos dias em Matosinhos DR

Portugal, representado pelo secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes, vai presidir à Aliança para Descarbonização dos Transportes, a TDA, na sigla inglesa. Fundador, no ano passado, com a França, Holanda, a Costa Rica e a plataforma para a Mobilidade e o Clima do Processo de Paris, deste novo fórum internacional, o nosso país vai liderá-lo num primeiro mandato cujo objectivo passa por produzir uma mapa de soluções integradas que, no sector da mobilidade, ajudem a alcançar o objectivo de redução de emissões de gases com efeito de estufa e travar o aquecimento global.

A primeira reunião da TDA decorreu nos últimos dias nas instalações do CEIIA, uma das entidades que, trabalhando no desenvolvimento de novas soluções de mobilidade, se juntou a esta aliança onde já estava, do lado empresarial, a Michelin, a hidroeléctrica ITAIPU-Binacional e a Alston. A estas juntam-se outras duas eléctricas, a Copel - Companhia Paranaense de Energia e a portuguesa EDP, a Brisa, a DHL, a transportadora ferroviária francesa SNCF, a Heineken, a PTV, do grupo Volkswagen, ou a Ernst & Young. Aos países fundadores juntaram-se o Canadá, a Finlândia e o Reino Unido, que participaram nos trabalhos mesmo sem terem formulado, ainda, a sua adesão a este grupo.

Esforço de alteração dos modelos de mobilidade

A TDA pretende envolver países, empresas e também cidades num esforço de alteração dos modelos e tecnologias de mobilidade. Roterdão, Lisboa, a Frente Atlântica do Porto (que se alarga a Matosinhos e Gaia) e as cidades brasileiras de Florianapolis e Curitiba, esta última pioneira no desenvolvimento de políticas urbanas mais sustentáveis, no Brasil, juntaram-se já a este primeiro grupo, que teve por companhia, na reunião que esta quarta-feira terminou, em Matosinhos, algumas organizações internacionais onde se joga, neste momento, o debate sobre as alterações climáticas, como a própria ONU, através do secretariado das Nações Unidas para as alterações climáticas o WWF - Fundo Mundial para a Natureza, o ITF - Forum Internacional para os Transportes, a SloCat (Partnership on Sustainable, Low Carbon Transport) e PPMC (Paris Process on Mobility and Climate).

Estas duas últimas organizações juntam-se à equipa directiva da TDA, da qual fazem parte ainda os três países fundadores, a Michelin e a Alston, e na qual faltam três cidades, que não foram indicadas agora por serem todas apenas da Europa, explicou ao PÚBLICO José Mendes. O secretário de Estado do Ambiente espera que, ao longo deste ano, entrem novos parceiros para esta aliança que pretende levar aos grandes debates internacionais sobre o sector dos transportes e sobre as alterações climáticas propostas de solução articuladas entre o sector público e o sector privado.

A TDA, cujos membros se comprometem com o objectivo da neutralidade carbónica em 2050, pretende "ter um papel relevante nos processos globais" associados às alterações climáticas e ao desenvolvimento sustentável, vincou o seu presidente, explicando que, por isso, vai participar nas conferências do clima das Nações Unidas, em Bona e Katovice, (sede, no final do ano, da 24.ª Conferência das Partes), no G7 e G20, na One Planet Summit e na Cimeira Global de Acção Climática, que decorrerá na Califórnia, EUA, em Setembro. Este grupo vai elaborar um mapa de soluções integradas, que confluam para o objectivo pretendido, e definirá também as suas próprias metas intermédias para 2020 e 2030.

As notícias dos últimos dias, dando conta de que cidades alemãs têm o poder para decidir zonas de exclusão de determinados tipos de veículos mais poluentes não passaram à margem das conversas nos corredores, e José Mendes assume-se crítico de anúncios avulsos por parte de cidades ou países, desgarrados de um plano estruturado que tenha, por exemplo, em conta a capacidade de resposta da indústria. “Todos sabemos que, neste momento, é impossível fornecer veículos eléctricos em tempo útil”, assinalou, como exemplo, explicando que é preciso olhar para a área da regulação, “sempre atrasada” em relação às mudanças que o mercado vai impondo, para o financiamento desta transição e para a sua comunicação, essencial para convencer os cidadãos da urgência de alteração de comportamentos.