Directora de comunicação de Trump demite-se depois de admitir que mentiu

Uma das colaboradoras mais antigas do Presidente admitiu ter usado "mentiras piedosas" na Casa Branca, em defesa dos interesses de Donald Trump.

Foto
Hicks, de 29 anos, é uma antiga modelo sem qualquer experiência política que se tornou numa das vozes mais próximas de Trump Reuters/Jonathan Ernst

A directora de comunicações de Donald Trump, Hope Hicks, uma das mais antigas colaboradoras do Presidente, demitiu-se nesta quarta-feira, avançam os jornais norte-americanos. A decisão surgiu horas depois de Hicks admitir que tem usado "mentiras piedosas" na Casa Branca, durante uma audição que se prolongou por mais de oito horas na comissão de serviços secretos da Câmara de Representantes.

Hicks afirmou ter sido levada a recorrer a "mentiras piedosas", mas sublinhou que em nenhum momento mentiu sobre algo relacionado com uma possível interferência russa nas eleições que deram a vitória a Trump. A confissão de Hicks foi revelada por uma das pessoas que esteve na audição, mas que não foi identificada.

"Não existem palavras adequadas para exprimir a minha gratidão ao Presidente Trump. Desejo ao Presidente e à sua Administração o melhor para que continue a conduzir o nosso país", declarou a directora de comunicação demissionária num comunicado citado pela Reuters.

"Hope é excepcional e fez um excelente trabalho nos últimos três anos. É esperta e anteciosa, é mesmo uma excelente pessoa", afirmou Trump numa reacção divulgada pela Casa Branca. "Vou sentir a falta dela ao meu lado, mas quando falou comigo sobre procurar novas oportunidades eu compreendi perfeitamente. Tenho a certeza que no futuro iremos trabalhar novamente", disse.

Hicks, de 29 anos, é uma antiga modelo que não tinha experiência política quando se juntou à campanha presidencial de Trump em 2016, explica o New York Times. Tornou-se uma das mais próximas aliadas do Presidente. Segundo o mesmo jornal, é uma das poucas pessoas que "compreendem a personalidade e o estilo de Trump e que o conseguem levar a mudar de ideias".

Hope Hicks demite-se menos de um mês depois de o namorado, Rob Porter, ter sido também obrigado a deixar a Casa Branca, na sequência de revelações de que teria submetido duas mulheres a violência doméstica. Rob Porter demitiu-se a 7 de Fevereiro.

De acordo com fontes citadas pela BBC, Hicks já foi ouvida por Robert Mueller, o procurador especial que está a conduzir a investigação à suspeita de interferência russa. A ex-directora de comunicações de Trump é considerada uma testemunha-chave.