Morreu João Varela Gomes

Foi o dirigente operacional do golpe de Beja de 1962.

Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
DR

Por vezes chamado “primeiro capitão de Abril”, pelo protagonismo no golpe militar que, 13 anos antes de Abril de 1974, tentou derrubar o regime do Estado Novo, João Varela Gomes morreu nesta segunda-feira em Lisboa, avançou à noite a RTP. Varela Gomes recusou ser o “autor do golpe de Beja” – disse ter sido Manuel Serra —, mas confirmou ter sido o dirigente operacional da tentativa de tomada do quartel do Regimento de Infantaria 3, em Beja, 1 de Janeiro de 1962. Ficou gravemente ferido nesse golpe em que morreu um subsecretário de Estado da Defesa.

Visto como próximo do PCP, João Varela Gomes foi chefe da 5.ª Divisão do Estado Maior General das Forças Armadas — responsável pela formação ideológica das tropas — e nessa qualidade interveio no 11 de Março, apelando à resistência do Ralis. Esse facto levou-o depois a ser acusado de “usurpação de funções”. “Usurpação revolucionária”, assumiu mais tarde.

Varela Gomes defendia que se devia “descomemorar o 25 de Novembro”, que considerava representar a vitória da contra-revolução, a derrota da revolução socialista.