Vinte e três aves voltaram para a sua casa no mar

Durante alguns dias, aves com petróleo, anemia ou que engoliram um anzol estiveram em reabilitação no Centro de Reabilitação de Animais Marinhos, do Ecomare. Esta sexta-feira, foram libertadas em frente à praia da Barra, em Aveiro.

Fotogaleria
As aves foram transportadas para o mar através de caixas Adriano Miranda
Fotogaleria
Duas embarcações participaram nesta libertação. Uma delas foi a embarcação salva-vidas Nossa Senhora dos Navegantes Adriano Miranda
Fotogaleria
As aves foram transportadas para meia milha da costa Adriano Miranda
Fotogaleria
As aves foram transportadas para meia milha da costa Adriano Miranda
Fotogaleria
As aves foram transportadas num bote rígido da Polícia Marítima Adriano Miranda
Fotogaleria
As aves foram transportadas num bote rígido da Polícia Marítima Adriano Miranda
Fotogaleria
As aves foram transportadas num bote rígido da Polícia Marítima Adriano Miranda
Fotogaleria
Foram libertadas um ganso-patola e um fulmar Adriano Miranda
Fotogaleria
As aves foram libertadas pela equipa do centro do Ecomare Adriano Miranda
Fotogaleria
As aves foram libertadas pela equipa do centro do Ecomare Adriano Miranda
Fotogaleria
Foram devolvidos ao mar 18 airos e três tordas-mergulheiras Adriano Miranda
Fotogaleria
Foram devolvidos ao mar 18 airos e três tordas-mergulheiras Adriano Miranda
Fotogaleria
Foram devolvidos ao mar 18 airos e três tordas-mergulheiras Adriano Miranda
Fotogaleria
Foram devolvidos ao mar 18 airos e três tordas-mergulheiras Adriano Miranda
Fotogaleria
A viagem durou cerca de 45 minutos Adriano Miranda

O céu está limpo, o mar está calmo e duas embarcações vão em direcção à liberdade. No Galeota, um bote rígido da Polícia Marítima, vão várias caixas com 23 aves reabilitadas no Centro de Reabilitação de Animais Marinhos (CRAM), do Ecomare – Laboratório para a Inovação e Sustentabilidade dos Recursos Biológicos Marinhos, na Gafanha da Nazaré (Aveiro). A poucos metros, na embarcação salva-vidas Nossa Senhora dos Navegantes, está quem vai assistir à libertação dessas aves nesta sexta-feira.

As embarcações param a cerca de meia milha em frente à praia da Barra, já depois do forte da Barra, também na Gafanha da Nazaré, para desviar as aves sobretudo das redes de pesca. A circundar já estão lá outras aves como as gaivotas. Marisa Ferreira, bióloga e coordenadora técnica do centro, abre a primeira caixa. É o ganso-patola (Morus bassanus) que sai lá de dentro. Começa por chapinhar, paira na água e depois voa. “Lá vai ele”, diz alguém em modo de despedida. Está assim de volta a casa. “Foi tranquilo”, comenta Lara Nunes, estudante de biologia e estagiária do centro, dizendo que estava com algum receio de que o ganso-patola fosse agressivo.

Esta ave marinha mede cerca de 1,8 metros de envergadura, tem um bico grande e é comum na costa portuguesa. O ganso-patola agora libertado veio de Peniche para o CRAM a 9 de Fevereiro. Quando lhe fizeram uma radiografia perceberam que tinha ingerido um anzol de pesca desportiva. “Não estava cravado e foi possível removê-lo com facilidade”, conta Marisa Ferreira.

“Prontos para outro?”, anuncia a bióloga. E tira a tampa para o fulmar (Fulmarus glacialis) sair da caixa. Toca na água e fica a bater as asas durante algum tempo. “A sério, fulmar? Não fazes o voo”, diz Marisa Ferreira ansiosa por vê-lo partir. Mesmo assim, avisa que é normal: o fulmar está a ambientar-se e fica ali bastante tempo a apalpar terreno (água) batendo as asas. Por isso, durante toda a viagem, os olhares de todos ficam atentos à espera que esta ave marinha, que pode atingir os 1,22 metros de envergadura e que raramente se avista na nossa costa, levante voo. “Chegou depois da tempestade Ana [em Dezembro] e é uma raridade aqui. A sua zona de nidificação mais a sul é o Reino Unido e a sua distribuição é ampla no Norte da Europa.” Por vezes, são observados ainda mais a sul do o Reino Unido.

Este fulmar foi encontrado na praia do Baleal, em Peniche, por biólogos que o entregaram à sede da Reserva Natural das Berlengas. Acabou por ser um dos doentes do CRAM. “O animal estava muito anémico. Estava realmente numa fase muito crítica e, felizmente, foi possível dar-lhe peso. O fulmar chegou em Dezembro com 550 gramas e foi libertado com 850 gramas, o seu peso normal.

Enquanto o fulmar bate as asas na água, os membros do CRAM alinham seis caixas e preparam-se para libertar 18 airos (Uria aalge) e três tordas-mergulheiras (Alca torda). “Prontos?”, grita outra vez Marisa Ferreira. E a acção segue-se: um bando de airos e tordas-mergulheiras são lançados no mar. Sempre em grupo, como se fossem uma família, chapinham, fazem sons e metem a cabeça na água. Estas aves chegaram contaminadas com petróleo (oleadas) ao centro entre 5 e 29 de Janeiro vindas de praias ao longo da costa portuguesa. Chegaram através da Polícia Marítima, de outros centros de recuperação ou de particulares. Depois, passaram por um intenso processo de descontaminação. Agora, na embarcação, Marisa Ferreira e as colegas do CRAM observam-nas a sorrir. É o sorriso da despedida e de missão cumprida.

Papas de peixe e lavagens

“Todos os técnicos, voluntários e estagiários estão muito felizes por elas se irem embora, mas vão deixar saudades. Quando as tínhamos de alimentar, toda a gente queria participar”, recorda a bióloga. O CRAM é um autêntico “hospital” para animais. Quando um animal dá entrada no centro, é avaliado por um médico veterinário, faz análises ao sangue ou radiografias para se verificar se tem alguma fractura ou se ingeriu algo estranho. E dependendo do problema que tem, é medicado. Ainda se averigua se está desidratado ou faz-se uma dieta alimentar consoante o seu problema.  

“Por exemplo, quando o fulmar chegou não podíamos iniciar uma dieta sólida. Os primeiros dias foram só papa de peixe”, conta a bióloga, acrescentando que só depois o fulmar começou a fazer uma alimentação baseada em peixe e cefalópodes. Só gradualmente o colocaram nos tanques de água. Aí, inicialmente, tinha acesso a uma prancha, que era uma espécie de ilha, onde podia descansar. Mais tarde, acabaram por lhe retirar essa ilha. Marisa Ferreira destaca ainda que é muito importante que as aves tenham água limpa na sua reabilitação.

As aves oleadas que chegam ao CRAM também passam por um longo processo. “Antes de serem lavadas temos de garantir que aguentam essa lavagem, porque é um trabalho muito intensivo para a ave em termos de desgaste energético”, diz Marisa Ferreira. Como estão muito contaminadas, têm de lhes tirar o máximo que conseguirem desses produtos e fazer uma lavagem com várias tinas de água e detergente. E ainda têm de lavá-las com água com pressão para lhes remover o detergente. Por fim, secam-nas e metem-nas na água. “Cada lavagem necessitou de três ou quatro pessoas”, frisa Marisa Ferreira.

Ema Machado, enfermeira veterinária do Ecomare, acompanhou o processo de reabilitação de todos os animais libertados. “É difícil destacar um”, diz pensativa e satisfeita pelas devoluções. “No bando [de aves] temos o Vagabundo, que arrojou com uma que a que chamámos Dama. Eram a Dama e o Vagabundo”, relembra com a colega Andreia Pereira, colaboradora do Ecomare. “Chegaram mais ou menos ao mesmo tempo. Eram tordas-mergulheiras e a Dama já tinha sido libertada, agora foi o Vagabundo”, conta Andreia Pereira, dizendo que devido ao dimorfismo sexual não conseguiram distinguir o sexo destas aves marinhas agora devolvidas ao mar com anilhas metálicas para permitir a sua identificação.

E qual a importância da libertação destas aves na natureza? “Tenta-se mitigar os danos que os humanos provocam, porque o único em que não temos uma causa humana directa é com o fulmar. Todos os outros têm. Temos então de mitigar os danos que as nossas actividades provocam na fauna selvagem”, responde Marisa Ferreira. “As aves marinhas têm um papel fundamental no equilíbrio dos ecossistemas. É fundamental acompanhar as suas populações para que sejam preservadas”, considera Nuno Rodrigues, curador-assistente no Oceanário de Lisboa, que acompanhou a libertação das aves. O Oceanário, juntamente com a Sociedade Portuguesa de Vida Selvagem e a Universidade de Aveiro, são parceiros na gestão deste centro.

No ano passado, libertaram-se 172 de 367 animais que chegaram ao centro, atingindo-se uma taxa de sucesso de 47%. Relativamente aos números deste ano, ainda só se contabilizaram os animais oleados (tordas, airos e gansos-patolas). De um conjunto de 33 animais oleados, foram devolvidos à natureza (em diferentes acções) 23 deles, atingindo-se uma taxa de sucesso de 70%.

Em frente à praia da Barra, a viagem de libertação desta sexta-feira dura cerca de 45 minutos. E, já no regresso, ouve-se um alerta de Marisa Ferreira: uma ave voa sobre as embarcações. É o fulmar que viaja em direcção à liberdade.