Municípios vão levar faixa de gestão de combustíveis à concertação territorial

Associação Nacional de Municípios Portugueses quer discutir norma que considera "inaceitável".

Manuel Machado, líder da Associação Nacional de Municípios
Foto
Manuel Machado, líder da Associação Nacional de Municípios Enric Vives-Rubio

As autarquias ainda não conseguiram sentar-se com António Costa para discutir a questão das faixas de gestão de combustíveis, uma medida governamental duramente criticada pela Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP).

A ANMP pediu uma audiência ao primeiro-ministro para reavaliar as normas do Orçamento do Estado (OE) que passam para as câmaras responsabilidades nesta matéria, mas o encontro ainda não aconteceu. No entanto, reúne-se na próxima terça-feira o Conselho de Concertação Territorial, estrutura em que a associação que representa as autarquias tem assento.

O presidente da ANMP, Manuel Machado, vai puxar para cima da mesa o dossier da gestão da faixa de combustíveis durante o encontro. Fonte oficial da associação adiantou ao PÚBLICO que, apesar de este ponto não estar previsto na agenda, Manuel Machado vai abordá-lo no Conselho de Concertação Territorial, reunião em que estará António Costa, bem como os ministros das Finanças, Mário Centeno, e da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

A ANMP põe em causa o diploma que define os critério a aplicar à gestão de combustíveis nas faixas secundárias no âmbito do Sistema Nacional de Defesa da Floresta Contra Incêndios, nomeadamente no que toca ao prazo de execução e à responsabilidade das câmaras municipais.

Recorde-se que Manuel Machado considerou o novo regime de limpeza de matos “inaceitável”. A norma do OE para 2018 que transfere para as câmaras o papel de limpeza de terrenos florestais em caso de incumprimento de privados fixa o dia 31 de Maio como o prazo para a realização dos trabalhos.

Os autarcas consideram que a que “a previsão de um regime sancionatório para os municípios” que não consigam cumprir representa uma “deslealdade para os municípios e para os autarcas”, uma vez que ANMP não foi “previamente consultada”.

No final da última reunião do conselho directivo da ANMP, que decorreu no dia 6 de Fevereiro, Manuel Machado afirmou que “o espírito da lei passa claramente a responsabilidade para os municípios e para os autarcas”. Assim, interpreta a associação, os autarcas serão responsabilizados pessoal, civil e criminalmente, enquanto o Estado Central fica completamente fora do processo”.

O último conselho directivo aconteceu já depois de Machado se ter reunido com o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita. O responsável terá então assumido “alguns compromissos” que vão no sentido de o regime previsto no OE ser executado “gradualmente”, mas a ANMP entende que se está ainda “no domínio das intenções”.

Sugerir correcção