Fotogaleria
mohamed hassan/Pixabay
Fotogaleria
Yolanda Tati é irónica na abordagem do que chama a “filosofia do quotidiano” DR

Youtubers: para que os queremos?

Podem ser úteis, engraçados, inspiradores, nenhuma das anteriores ou todas elas. No Festival P, a 3 de Março, no Hard Club, no Porto, vamos reunir quatro criadores de conteúdos bem diferentes. Yolanda Tati, Tubalatudo, C Feliz e Hugo Van der Ding vão falar sobre o que se faz pelo YouTube

Sim, precisamos deles. E a resposta ao título pode ser esta: precisamos destes jovens (e de outros não tão jovens) por causa do humor, da reflexão que proporcionam e dos conhecimentos diversificados que transmitem em poucos minutos de vídeo. Yolanda Tati, Tubalatudo, C Feliz e Hugo van der Ding são quatro youtubers bem diferentes entre si e bem diferentes da maioria dos criadores de conteúdo que fazem carreira naquela plataforma de partilha de vídeos.

Daí o título completo da sessão ser "Rir, pensar e aprender: para que precisamos dos youtubers?", incluída no programa do Festival P, que o PÚBLICO organiza no sábado, 3 de Março, no Hard Club, no Porto.

Quem segue o canal de Yolanda Tati sabe que esta jovem youtuber é irónica na abordagem do que chama a “filosofia do quotidiano” e de como adora a palavra vicissitudes. No mesmo vídeo, Yolanda é capaz de desmistificar os mitos acerca das mulheres negras, o racismo ou a integração e, logo depois, falar com humor sobre os maus hábitos de brasileiros, portugueses e angolanos: a pontualidade, a digestão nocturna (“bom garfo e mau relógio”), o vício e a “corrupção hard core”.

Tubalatudo, por sua vez, é sinónimo de utilidade. No seu canal, aprendemos como fazer um mini-barco, um spinner ou um skate eléctrico com uma impressora 3D. Ou, se preferirem, um carrinho de robô de duas rodas, uma pistola de papel ou os brinquedos mais incríveis em casa. O canal que Radu Caraus gere tem quase um milhão de subscritores e é a prova de que conteúdo útil (também) dá visualizações — e gera comentários construtivos.

PÚBLICO -
Foto
Catarina Oliveira fala de forma honesta sobre dificuldades e vitóriasPaulo Pimenta

Não que C Feliz se importe muito com a opinião dos outros. No seu canal, Catarina Oliveira quer superar barreiras que se atravessam inesperadamente e lutar pela inclusão e independência. Aos 26 anos, foi parar a uma cadeira de rodas — mas isso nunca a travou e é essa a inspiração que quer trazer ao YouTube. Por lá, fala de forma honesta sobre dificuldades e vitórias. “A vontade de ser feliz tem de prevalecer”, disse ela ao P3, em Agosto. Concordas?

PÚBLICO -
Foto
Radu Caraus tem quase um milhão de subscritores e é a prova de que conteúdo útil (também) dá visualizações DR

Se Catarina te quer feliz, Hugo Van der Ding quer é ver-te a rir. Foi isso que fez nos cartoons que divulgava no Facebook da Criada Mal Criada, Celeste da Encarnação, Velha mas Moderna, Cavaca para Presidenta ou a sua sucessora, a primeira-dama independente, Brites de Almeida. E é isso que faz desde que chegou ao YouTube há um ano com a Meia Desfeita, o projecto de sketchs de humor que dirige, agora já sem bonecos.

PÚBLICO -
Foto
Hugo van der Ding chegou ao YouTube há um ano com a Meia Desfeita Nuno Ferreira Santos

O painel decorre das 15h às 16h30 e será moderado por Nelson Nunes, jornalista e escritor, autor de vários textos de opinião no P3 e, mais recentemente, do livro Isto Não É Um Livro de Receitas — se fosse, estaria melhor no painel da Fugas. Para que precisamos de youtubers, vai ele perguntar? Se calhar a resposta não cabe num título só.