“A eternidade é irrelevante. O que fica é o tempo do quotidiano”

A Culturgest inaugura esta sexta-feira a exposição O Som da Neve, sobre o trabalho do conceituado artista canadiano Michael Snow. Segundo o curador Delfim Sardo, esta não é uma exposição retrospectiva: as obras foram todas escolhidas com base na relação entre a imagem e o som, característica do trabalho do multifacetado artista. O PÚBLICO acompanhou a montagem de uma das obras desta exposição, que ficará patente até 22 de Abril: “#720 (Thanks to Robert Crumb)”, uma história sobre a escala do tempo.